x

Bibliatodo Comentários

Anúncios


Diário Viver

2 Coríntios 5

1. De fato, nós sabemos que, quando for destruída esta barraca em que vivemos, que é o nosso corpo aqui na terra, Deus nos dará, para morarmos nela, uma casa no céu. Essa casa não foi feita por mãos humanas; foi Deus quem a fez, e ela durará para sempre.

2. Por isso gememos enquanto vivemos nesta casa de agora, pois gostaríamos de nos mudarmos já para a nossa nova casa no céu. Aquela casa será o nosso corpo celestial,

3. e, quando nos vestirmos com ele, não ficaremos sem corpo.

4. Gememos aflitos enquanto vivemos nesta barraca, que é o nosso corpo. Isso não é porque queiramos ficar livres do nosso corpo terreno; o que desejamos é receber o corpo celestial para que a vida faça com que o que é mortal desapareça.

5. E foi Deus quem nos preparou para essa mudança e nos deu o seu Espírito como garantia de tudo o que ele tem para nos dar.

6. Estamos sempre muito animados, pois sabemos que, enquanto vivemos neste corpo, estamos longe do lar do Senhor.

7. Porque vivemos pela fé e não pelo que vemos.

8. Estamos muito animados e gostaríamos de deixar de viver neste corpo para irmos viver com o Senhor.

9. Porém, acima de tudo, o que nós queremos é agradar o Senhor, seja vivendo no nosso corpo aqui, seja vivendo lá com o Senhor.

10. Porque todos nós temos de nos apresentar diante de Cristo para sermos julgados por ele. E cada um vai receber o que merece, de acordo com o que fez de bom ou de mau na sua vida aqui na terra.

11. Sabemos o que quer dizer temer o Senhor e por isso procuramos levar as pessoas à verdade. Deus nos conhece completamente, e espero que no seu coração vocês me conheçam também.

12. Não estamos querendo nos elogiar a nós mesmos outra vez para vocês. Pelo contrário, queremos lhes dar motivo para terem orgulho de nós a fim de que tenham o que responder aos que se sentem orgulhosos por causa da aparência de uma pessoa e não por causa do que ela é.

13. Pois, se estamos loucos, é em favor de Deus; e, se temos juízo, é em favor de vocês.

14. Porque somos dominados pelo amor que Cristo tem por nós, pois reconhecemos que um homem, Jesus Cristo, morreu por todos, o que quer dizer que todos tomam parte na sua morte.

15. Ele morreu por todos para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas vivam para aquele que morreu e foi ressuscitado para a salvação deles.

16. Por isso, daqui em diante, não vamos mais usar regras humanas quando julgarmos alguém. E, se antes de nos termos tornado cristãos julgamos Cristo de acordo com regras humanas, agora não fazemos mais isso.

17. Quem está unido com Cristo é uma nova pessoa; acabou-se o que era velho, e já chegou o que é novo.

18. Tudo isso é feito por Deus, o qual, por meio de Cristo, nos transforma de inimigos em amigos dele. E Deus nos deu a tarefa de fazer com que os outros também sejam amigos dele.

19. A nossa mensagem é esta: Deus não leva em conta os pecados dos seres humanos e, por meio de Cristo, ele está fazendo com que eles sejam seus amigos. E Deus nos mandou entregar a mensagem que fala da maneira como ele faz com que eles se tornem seus amigos.

20. Portanto, estamos aqui falando em nome de Cristo, como se o próprio Deus estivesse pedindo por meio de nós. Em nome de Cristo nós pedimos a vocês que deixem que Deus os transforme de inimigos em amigos dele.

21. Em Cristo não havia pecado. Mas Deus colocou sobre Cristo a culpa dos nossos pecados para que nós, em união com ele, vivamos de acordo com a vontade de Deus.

×

2 Coríntios 5

5.1-10 Paulo contrasta nossos corpos terrestres ("morada terrestre") e nossa ressurreição futura do corpo ("um edifício, uma casa não feita de mãos, eterna, nos céus"). Paulo afirma com claridade que nossos corpos mortais nos fazem gemer, mas quando morrermos não seremos espíritos sem corpo ("seremos achados vestidos, não nus"). Teremos novos corpos que serão perfeitos para nossa vida eterna. Paulo escreveu isto porque a igreja de Corinto estava no coração da cultura grega e muitos crentes tinham dificuldade com o conceito da ressurreição do corpo. Os gregos não acreditavam na ressurreição corporal. A maioria considerava a vida vindoura como um pouco relacionado só com a alma, a pessoa real, presa em um corpo físico. Acreditavam que ao morrer a alma ficava livre, não havia imortalidade para o corpo, em troca a alma entrava em um estado eterno. Mas a Bíblia ensina que o corpo e a alma finalmente são inseparáveis. Paulo descreve nossos corpos ressuscitados com maiores detalhes em 1Co 15:46-58. Teremos ainda nossas personalidades e individualidades em nossos corpos ressuscitados, mas serão melhoradas muito mais do que podemos imaginar, por meio de Cristo e sua obra. As Escrituras não dão muitos detalhes em relação de como serão nossos corpos ressuscitados, mas o que sim sabemos é que serão perfeitos, sem enfermidades, epidemias ou dor (vejam-se Phi 3:21; Rev 21:4). 5.5 O Espírito Santo em nós é nossa garantia do que Deus nos tem reservado, um corpo revestido e eterno, que nos dará ao ressuscitar (1.22). Temos eternidade em nós mesmos agora! Esta esperança devesse nos dar um grande estímulo e paciência para enfrentar tudo o que devamos experimentar. 5.6-8 Paulo não temia morrer porque estava seguro de que passaria a eternidade com Cristo. Naturalmente, enfrentar o desconhecido origina ansiedade e deixar partir para os seres queridos dói profundamente, mas se acreditarem no Jesucristo podemos possuir a mesma esperança do Paulo de que temos vida eterna com Cristo. 5.8 Para aqueles que acreditam em Cristo, a morte só é o prelúdio a uma vida eterna com Deus. Nossas vidas continuarão. Deixe que esta esperança lhe dê confiança e o inspire para cumprir um serviço fiel. 5.9, 10 Embora a vida eterna é um dom gratuito apoiado na graça de Deus (Eph 2:8-9), cada um de nós será julgado por Cristo. Este julgamento nos recompensará pela forma em que tenhamos vivido. O dom da graça de Deus na salvação não nos libera da fiel obediência. Todos os cristãos devem prestar contas pela forma em que viveram (vejam-se Mat 16:27; Rom 14:10-12; 1Co 3:10-15). 5.12 "Os que se glorificam nas aparências e não no coração" são os falsos professores (veja-se 2.17), os que se preocupavam só por sair graciosos neste mundo. Pregavam o evangelho por dinheiro e popularidade, enquanto que Paulo e seus colaboradores pregavam preocupados na eternidade. Você pode deduzir quem é um falso professor, ao descobrir suas verdadeiras motivações. Se estiverem mais preocupados em si mesmos que em Cristo, evite-os e evite sua mensagem. 5.13-15 Tudo o que Paulo e seus colaboradores fizeram foi honrar a Deus. O amor de Cristo controlava suas vidas. E como Cristo morreu por nós, nós também devemos morrer a nossa velha vida. Como Paulo, não devemos viver mais para nos agradar a nós mesmos, devemos usar nossa vida agradando a Cristo, que morreu por nós e ressuscitou do sepulcro. 5.17 Os cristãos são novas criaturas desde seu interior. O Espírito Santo lhes dá vida nova e já não serão os mesmos jamais. Não fomos reformados, reabilitados ou reeducados; somos uma nova criação, vivendo em união vital com Cristo (Col 2:6-7). nos converter não é meramente dar a volta a uma folha nova, a não ser começar uma vida nova sob um novo Professor. 5.18, 19 Deus nos atrai para si mesmo (reconcilia-nos), apaga nossos pecados (veja-se também Eph 2:13-18) e nos faz justos. Deixamos de ser inimigos, estranhos ou estrangeiros para Deus, quando confiamos em Cristo. Aos reconciliados com Deus, temos o privilégio de animar a outros para que façam o mesmo, e dessa maneira somos aqueles que têm "o ministério da reconciliação". 5.20 Um embaixador é um representante oficial de um país em outro. Como crentes, somos embaixadores de Cristo, enviados com sua mensagem de reconciliação ao mundo. O embaixador de reconciliação tem uma responsabilidade muito importante. Não devemos cumprir esta responsabilidade em forma liviana. Quão bem está cumprindo sua responsabilidade como embaixador de Cristo? 5.21 Quando confiamos em Cristo, fazemos um trato: nossos pecados por sua justificação. Nosso pecado foi vertido em Cristo quando foi crucificado. A isto se referem os cristãos quando falam do sacrifício de Cristo pelo pecado. No mundo se negocia quando duas pessoas intercambiam bens de valor equivalente ou relativamente iguais. Mas Deus oferece trocar sua justiça por nosso pecado, um pouco de valor imensurável por algo que não vale nada. Quão agradecidos devêssemos estar por sua benevolência conosco.






Anúncios