x

Bibliatodo Comentários

Anúncios


Diário Viver

Apocalipse 18

1. E, depois destas coisas, vi descer do céu outro anjo, que tinha grande poder, e a terra foi iluminada com a sua glória.

2. E clamou fortemente com grande voz, dizendo: Caiu! Caiu a grande Babilônia e se tornou morada de demônios, e abrigo de todo espírito imundo, e refúgio de toda ave imunda e aborrecível!

3. Porque todas as nações beberam do vinho da ira da sua prostituição. Os reis da terra se prostituíram com ela. E os mercadores da terra se enriqueceram com a abundância de suas delícias.

4. E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados e para que não incorras nas suas pragas.

5. Porque já os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou das iniqüidades dela.

6. Tornai-lhe a dar como ela vos tem dado e retribuí-lhe em dobro conforme as suas obras; no cálice em que vos deu de beber, dai-lhe a ela em dobro.

7. Quanto ela se glorificou e em delícias esteve, foi-lhe outro tanto de tormento e pranto, porque diz em seu coração: Estou assentada como rainha, não sou viúva e não verei o pranto.

8. Portanto, num dia virão as suas pragas: a morte, e o pranto, e a fome; e será queimada no fogo, porque é forte o Senhor Deus, que a julga.

9. E os reis da terra, que se prostituíram com ela e viveram em delícias, a chorarão e sobre ela prantearão, quando virem a fumaça do seu incêndio.

10. Estarão de longe pelo temor do seu tormento, dizendo: Ai! Ai daquela grande Babilônia, aquela forte cidade! Pois numa hora veio o seu juízo.

11. E sobre ela choram e lamentam os mercadores da terra, porque ninguém mais compra as suas mercadorias:

12. mercadorias de ouro, e de prata, e de pedras preciosas, e de pérolas, e de linho fino, e de púrpura, e de seda, e de escarlata; e toda madeira odorífera, e todo vaso de marfim, e todo vaso de madeira preciosíssima, de bronze e de ferro, e de mármore;

13. e cinamomo, e cardamomo, e perfume, e mirra, e incenso, e vinho, e azeite, e flor de farinha, e trigo, e cavalgaduras, e ovelhas; e mercadorias de cavalos, e de carros, e de corpos e de almas de homens.

14. E o fruto do desejo da tua alma foi-se de ti, e todas as coisas gostosas e excelentes se foram de ti, e não mais as acharás.

15. Os mercadores destas coisas, que com elas se enriqueceram, estarão de longe, pelo temor do seu tormento, chorando, e lamentando,

16. e dizendo: Ai! Ai daquela grande cidade, que estava vestida de linho fino, de púrpura, de escarlata, adornada com ouro e pedras preciosas e pérolas! Porque numa hora foram assoladas tantas riquezas.

17. E todo piloto, e todo o que navega em naus, e todo marinheiro, e todos os que negociam no mar se puseram de longe.

18. E, vendo a fumaça do seu incêndio, clamaram, dizendo: Que cidade é semelhante a esta grande cidade?

19. E lançaram pó sobre a cabeça e clamaram, chorando, e lamentando, e dizendo: Ai! Ai daquela grande cidade, na qual todos os que tinham naus no mar se enriqueceram em razão da sua opulência! Porque numa hora foi assolada.

20. Alegra-te sobre ela, ó céu, e vós, santos apóstolos e profetas, porque já Deus julgou a vossa causa quanto a ela.

21. E um forte anjo levantou uma pedra como uma grande mó e lançou- a no mar, dizendo: Com igual ímpeto será lançada Babilônia, aquela grande cidade, e não será jamais achada.

22. E em ti não se ouvirá mais a voz de harpistas, e de músicos, e de flauteiros, e de trombeteiros, e nenhum artífice de arte alguma se achará mais em ti; e ruído de mó em ti se não ouvirá mais;

23. e luz de candeia não mais luzirá em ti, e voz de esposo e de esposa não mais em ti se ouvirá; porque os teus mercadores eram os grandes da terra; porque todas as nações foram enganadas pelas tuas feitiçarias.

24. E nela se achou o sangue dos profetas, e dos santos, e de todos os que foram mortos na terra.

×

Apocalipse 18

18.1ss Este capítulo mostra a destruição completa de Babilônia, nome metafórico que emprega João para referir-se ao poder mundial do maligno e tudo o que este representa. Tudo o que trata de impedir os propósitos de Deus chegará a ter um fim violento. Para maior informação de como o livro de Apocalipse emprega o nome Babilônia, veja-a nota sobre 14.8. 18.2, 3 Os comerciantes do Império Romano se enriqueceram explorando os prazeres pecaminosos de sua sociedade. Muitos comerciantes fazem o mesmo hoje. Freqüentemente o comércio e o governo se apóiam na avareza, o dinheiro e o poder. Muita gente brilhante é motivada a tirar vantagem de um sistema maligno para enriquecer-se. Se precatória aos cristãos a manter-se livre do encantamento do dinheiro, a representação social e a "boa vida". Devemos viver de acordo com os valores que Cristo viveu mediante o serviço, entrega-a, a abnegação, a obediência e a verdade. 18.4-8 O povo de Babilônia viveu em esbanjamentos e deleites. Ela alardeou "Eu estou sentada como reina[...] não verei pranto". A gente rico e poderosa neste mundo é suscetível a essa mesma atitude. Uma pessoa que desfruta de folga econômica com freqüência se sente invulnerável, segura e em controle da situação; sente que não necessita de Deus nem de ninguém mais. Essa atitude desafia a Deus, e é duro o julgamento em seu contrário. Nos há dito que devemos evitar o pecado de Babilônia. Se você tiver segurança econômica, não se sinta satisfeito de si mesmo nem se engane pelo mito da auto-suficiência. Use seus recursos para ajudar a outros e fomente o reino de Deus. 18.9, 10 Os que estão atados ao sistema do mundo o perderão tudo quando este se derrube. Destruirá-se em uma hora o que se esforçaram por construir toda a vida. Os que trabalham procurando sozinho recompensa material não chegarão a ter nada quando morrerem ou quando desaparecerem seus bens. O que podemos levar a terra nova? Nossa fé, nosso caráter cristão e nossa relação com outros crentes. Isso é mais importante que qualquer quantidade de dinheiro, poder ou prazer. 18.9-19 Os que controlam vários setores do sistema econômico gemerão com a queda de Babilônia. Os líderes políticos gemerão porque foram os supervisores da riqueza de Babilônia e puderam enriquecer-se abundantemente. Os mercados gemerão porque desapareceu Babilônia, o maior cliente de seus produtos. Os navegantes já não acharão lugar ao que levar seus produtos porque os mercados não terão a quem vendê-los. A queda do mundo ímpio afetará a tudo o que desfrutou e dependeu de seu sistema. Ninguém ficará sem ser afetado pela queda de Babilônia. 18.11-13 Esta lista de mercadoria ilustra o materialismo extremo desta sociedade. Poucos destes produtos são necessários; principalmente têm que ver com o luxo. A sociedade se desenfreou até o ponto de que a gente esteve disposta a empregar seus meios ímpios para satisfazer seus desejos. Até a gente se converteu em produto. As "almas de homens", os escravos, venderam-se a Babilônia. 18.11-19 O povo de Deus não deve viver para o dinheiro, já que este não terá valor na eternidade. Deve manter-se sempre em guarda contra a avareza, um pecado que se acha à espreita. COMO PODE UMA PESSOA MANTER-SE AFASTADA DO SISTEMA MALIGNO? Estas são algumas sugestões: 1. As pessoas devem ser sempre mais importantes que as coisas. 2. Não se orgulhe de seus próprios planos, atividades e êxitos. 3. Tenha presente que nunca se deve comprometer a vontade e a Palavra de Deus. 4. Sempre deve considerar-se as pessoas por cima das lucros econômicas. 5. Faça o que seja bom, custe o que custar. 6. Participe de negócios que ofereçam produtos e serviços que valem a pena, não só costure que satisfaçam os desejos do mundo.






Anúncios