- Anúncios -
x

Bibliatodo Comentários




Diário Viver
Romanos 12

1. Entrega da vida para servir Irmãos, pela misericórdia de Deus, peço que vocês ofereçam os próprios corpos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus. Esse é o culto autêntico de vocês.

2. Não se amoldem às estruturas deste mundo, mas transformem-se pela renovação da mente, a fim de distinguir qual é a vontade de Deus: o que é bom, o que é agradável a ele, o que é perfeito.

3. Em nome da graça que me foi concedida, eu digo a cada um de vocês: não tenham de si mesmos conceito maior do que convém, mas um conceito justo, de acordo com a fé, na medida que Deus concedeu a cada um.

4. Num só corpo há muitos membros, e esses membros não têm todos a mesma função.

5. O mesmo acontece conosco: embora sendo muitos, formamos um só corpo em Cristo, e, cada um por sua vez, é membro dos outros.

6. Mas temos dons diferentes, conforme a graça concedida a cada um de nós. Quem tem o dom da profecia, deve exercê-lo de acordo com a fé;

7. se tem o dom do serviço, que o exerça servindo; se do ensino, que ensine;

8. se é de aconselhar, aconselhe; se é de distribuir donativos, faça-o com simplicidade; se é de presidir à comunidade, faça-o com zelo; se é de exercer misericórdia, faça-o com alegria.

9. A prática do amor Que o amor de vocês seja sem hipocrisia: detestem o mal e apeguem-se ao bem;

10. no amor fraterno, sejam carinhosos uns com os outros, rivalizando na mútua estima.

11. Quanto ao zelo, não sejam preguiçosos; sejam fervorosos de espírito, servindo ao Senhor.

12. Sejam alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração.

13. Sejam solidários com os cristãos em suas necessidades e se aperfeiçoem na prática da hospitalidade.

14. Abençoem os que perseguem vocês; abençoem e não amaldiçoem.

15. Alegrem-se com os que se alegram, e chorem com os que choram.

16. Vivam em harmonia uns com os outros. Não se deixem levar pela mania de grandeza, mas se afeiçoem às coisas modestas. Não se considerem sábios.

17. Não paguem a ninguém o mal com o mal; a preocupação de vocês seja fazer o bem a todos os homens.

18. Se for possível, no que depende de vocês, vivam em paz com todos.

19. Amados, não façam justiça por própria conta, mas deixem a ira de Deus agir, pois o Senhor diz na Escritura: ""A mim pertence a vingança; eu mesmo vou retribuir.""

20. Mas, se o seu inimigo tiver fome, dê-lhe de comer; se tiver sede, dê-lhe de beber; desse modo, você fará o outro corar de vergonha.

21. Não se deixe vencer pelo mal, mas vença o mal com o bem.

×
Romanos 12

12.1 Quando se sacrificava um animal de acordo à Lei de Deus, o sacerdote dava morte ao animal, cortava-o em pedaços e o punha sobre o altar. O sacrifício era importante, mas até no Antigo Testamento Deus esclarece que a obediência de coração é muito mais importante (vejam-se 1Sa 15:22; Psa 40:8; Amo 5:21-24). Deus deseja que ofereçamos a nós mesmos em sacrifício vivo, não animais. Cada dia devemos jogar a um lado nossos desejos e lhe seguir, pondo todas nossas energias e recursos ao seu dispor e confiando em sua direção. Fazemo-lo em gratidão porque nossos pecados foram perdoados. 12.1, 2 Deus tem planos bons, agradáveis e perfeitos para seus filhos. O quer nos transformar em um povo com uma mente renovada, vivos para lhe honrar e lhe obedecer. devido a que O solo quer o melhor para nós e por ter dado a seu Filho para que tenhamos vida nova, deveríamos nos oferecer com gozo em sacrifício vivo para seu serviço. 12.2 Os cristãos têm este chamado: "Não lhes conformem a este século". Não temos que estar de acordo com a conduta e costumes deste mundo, que pelo general são egocêntricas e freqüentemente corruptas. Muitos cristãos dizem sabiamente que a conduta mundana se extralimita muito. Nosso rechaço a formar parte do mundo, entretanto, deve ir mais à frente do nível de conduta e costumes. Deve estar firmemente enraizado em nossas mentes: "lhes transforme por meio da renovação de seu entendimento". É possível evitar muitas dos costumes mundanos sem deixar de ser orgulhosos, ambiciosos, egoístas, obstinados e arrogantes. Solo quando o Espírito Santo renova, reeduca e reorienta nossa mente somos na verdade transformados (veja-se 8.5). 12.3 É importante ter uma boa auto-estima porque alguns nos temos muito em pouco; por outro lado, alguns nos superestimamos. A chave de uma avaliação honesta e fiel é conhecer as bases de nossa valia: nossa nova identidade em Cristo. Separados do, não somos muito competentes segundo as normas eternas. No, somos valiosos e capazes de um serviço digno. Quando um se avalia com as normas mundanas do lucros e o êxito pode dar muita importância ao valor que tem ante os olhos de outros e perder seu verdadeiro valor ante os olhos de Deus. 12.4, 5 Paulo usa o conceito do corpo humano para ensinar como os cristãos devem viver e trabalhar juntos. Assim como as diferentes parte do corpo atuam sob a direção do cérebro, os cristãos devem fazê-lo sob a autoridade e mandato do Jesucristo (vejam-se 1Co 12:12-31; Eph 4:1-16). 12.4-8 Deus nos deu dons a fim de que possamos edificar a igreja. Para usá-los com eficácia, devemos: (1) ter em conta que todos os dons e habilidades vêm de Deus; (2) compreender que não todos têm o mesmo dom; (3) saber quem somos e o que fazemos melhor; (4) dedicar nossos dons ao serviço de Deus e não a nosso êxito pessoal; (5) estar dispostos a pô-los ao serviço de Deus com generosidade e sem exclusão. 12.6 Os dons de Deus diferem em natureza, poder e eficácia de acordo com sua sabedoria e graça, não de acordo com nossa fé. A "medida de fé" (12.3) ou a proporção de fé significa que Deus lhe dará o poder espiritual adequado e necessário para levar a cabo cada responsabilidade. Não podemos por vontade ou esforço próprio produzir mais fé e chegar a ser professores ou servos mais competentes. Deus é o que dá dons a sua igreja e outorga fé e poder de acordo com sua vontade. Nossa função é ser fiéis e procurar a maneira de servir a outros com o que Cristo nos deu. 12.6 O dom de profecia nas Escrituras não significa sempre predizer o futuro. Freqüentemente denota pregar a mensagem de Deus (1Co 14:1-3). 12.6-8 Olhe esta lista de dons e imagine os tipos de pessoas que poderiam possui-los. Os profetas possuem, pelo general, denodo e oratória. Os que servem (os que ministran) são fiéis e leais. Os que ensinam são pensadores claros. Os que exortam sabem como motivar a outros. Os que repartem são generosos e confiáveis. Os que presidem são bons organizadores e diretores. Os que têm misericórdia são amorosos e se sentem muito felizes quando dão seu tempo a outros. Seria muito difícil que uma só pessoa monopolizasse todos estes dons. Um profeta positivo possivelmente não seja necessariamente um bom conselheiro e um que reparte ao melhor enguiço como administrador. Quanto você identifica seus dons (e esta lista está longe de ser completa), pergunte-se como pode utilizá-los para edificar a família de Deus. Ao mesmo tempo, aceite que seus dons não podem levar a cabo todo o trabalho da igreja. Seja agradecido com quem tenha dons diferentes aos seus. Procure que seus pontos fortes equilibrem as debilidades que outros tenham e agradeça que as habilidades deles lhe ajudem a superar suas deficiências. Juntos podem edificar a Igreja de Cristo. 12.9 A maioria aprendemos a fingir que amamos a outros. Sabemos como falar com bondade, evitando ferir sentimentos e aparentando interesse em outros. Podemos até fingir que nos enchemos de compaixão quando ouvimos das necessidades de outros ou de indignação quando nos inteiramos de alguma injustiça. Mas Deus nos chama a sentir o verdadeiro amor que vai além das emoções e conduta superficiais. O amor sincero requer concentração e esforço. Inclui fazer algo para que outros sejam melhores. Demanda tempo, dinheiro e participação pessoal. Nenhuma pessoa tem os recursos necessários para amar a toda uma comunidade; mas uma igreja, o corpo de Cristo em sua cidade, pode-o fazer. Pense em pessoas que necessitam seu amor em ação e considere quão médios você e outros membros podem usar para unir-se e mostrar amor por sua comunidade no nome de Cristo. 12.10 Podemos honrar a outros de duas maneiras. Alguém encerra motivos ocultos. Honramos a nossos chefes a fim de que depois nos recompensem, a nossos empregados para que trabalhem mais, aos ricos para que contribuam a nossa causa, aos capitalistas para que utilizem seu poder a nosso favor e não em nosso contrário. A outra maneira de Deus encerra amor. Como cristãos, honramos às pessoas porque foram criadas à imagem de Deus, porque são nossos irmãos em Cristo, porque estamos agradecidos pela forma em que contribuem à edificação do corpo de Cristo. Parece-lhe muito difícil para sua natureza competitiva a maneira em que Deus honra aos demáss? por que não tentar nos superar mutuamente quanto a honrar a outros? Ponha a outros em primeiro lugar! 12.13 Oferecer hospitalidade cristã não é o mesmo que receber visitas. Quando se recebe visitas, o foco de atenção é a família anfitriã: o lar deve estar impecável, os mantimentos devem estar bem preparados e abundantes, os da casa devem parecer descansados e de bom humor. A hospitalidade, em troca, concentra-se nos visitantes. Suas necessidades têm prioridade: terá que lhes dar um lugar onde estar, mantimentos nutritivos, ouvido atento ou aceitação. A hospitalidade pode brindar-se em um lar desordenado. Pode brindar-se ao redor de uma mesa em que o prato principal seja uma sopa. Até pode ser que o anfitrião e os visitantes realizem tarefas em conjunto. Não tema oferecer hospitalidade porque está muito cansado, ocupado ou pobre para atender adequadamente aos visitantes. 12.17-21 Estes versículos resumem a medula da vida cristã. Se amarmos a alguém da mesma maneira que Cristo nos ama, estaremos dispostos a perdoar. Se tivermos experiente a graça de Deus, desejaremos que outros também a desfrutem. E recorde, a graça é um favor imerecido. Quando damos de beber a um inimigo, não desculpamos seus enganos. Reconhecemo-los, perdoamo-los e amamos à pessoa apesar de seus enganos, tal como Cristo o fez conosco. 12.19-21 Nestes dias de constantes pleitos e incessantes demanda em busca de direitos legais, o mandato do Paulo soa quase impossível de aceitar. Quando alguma pessoa nos fere profundamente, em lugar de reagir como merece, Paulo diz que terá que ser amistoso. por que nos diz Paulo que devemos perdoar a nossos inimigos? (1) O perdão pode romper um ciclo de represálias e guiar a uma mútua reconciliação. (2) Pode obter que o inimigo se envergonhe e troque de conduta. (3) Por contraste, devolver mal por mal nos fere tanto a nós como a nosso inimigo. Embora seu inimigo nunca se arrependa, ao perdoá-lo você se sentirá livre do grande peso da amargura. 12.19-21 O perdão inclui tanto atitudes como ação. Se considerar difícil que a pessoa que o feriu lhe peça perdão, procure responder com ações bondosas. Se é apropriado, lhe diga que lhe agradaria melhorar suas relações. lhe brinde ajuda. lhe envie um presente. lhe sorria. Muitas vezes descobrirá que as boas ações conduzem a sentimentos sinceros. 12.20 O que significa "brasas de fogo" sobre a cabeça de alguém? Isto possivelmente se refira a uma tradição egípcia de levar um recipiente de carvão aceso sobre a cabeça em sinal de arrependimento público. Em alusão a este provérbio, Paulo diz que deveríamos tratar a nossos inimigos com amabilidade para que se envergonhem e se voltem de seus pecados. A melhor maneira de eliminar ao inimigo é convertê-los em amigos.