- Anúncios -
x

Bibliatodo Comentários




Diário Viver
Romanos 13

1. Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus.

2. Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação.

3. Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela.

4. Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus e vingador para castigar o que faz o mal.

5. Portanto, é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência.

6. Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo.

7. Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra.

8. A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei.

9. Com efeito: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não darás falso testemunho, não cobiçarás, e, se há algum outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo.

10. O amor não faz mal ao próximo; de sorte que o cumprimento da lei é o amor.

11. E isto digo, conhecendo o tempo, que é já hora de despertarmos do sono; porque a nossa salvação está, agora, mais perto de nós do que quando aceitamos a fé.

12. A noite é passada, e o dia é chegado. Rejeitemos, pois, as obras das trevas e vistamo-nos das armas da luz.

13. Andemos honestamente, como de dia, não em glutonarias, nem em bebedeiras, nem em desonestidades, nem em dissoluções, nem em contendas e inveja.

14. Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências.

×
Romanos 13

13.1 Há momentos nos que alguém tem que desobedecer às autoridades? Não devemos permitir que os governantes nos obriguem a desobedecer a Deus. Jesus e seus apóstolos nunca desobedeceram às autoridades por razões pessoais; quando o fizeram foi ser leais a Deus. Sua desobediência lhes custou caro: ameaçaram-nos, golpearam-nos, puseram-nos na prisão, torturaram-nos e os executaram por suas convicções. Como eles, se nos vemos obrigados a desobedecer, devemos estar dispostos a sofrer as conseqüências. 13.1ss Os cristãos interpretam Romanos 13 de diferentes maneiras. Todos os cristãos estão de acordo em que devemos viver em paz com o estado, sempre e quando este nos permita obrar de acordo a nossas convicções religiosas. Por centenas de anos, entretanto, houve ao menos três interpretações de como devemos fazê-lo. (1) Alguns cristãos acreditam que o estado é muito corrupto e que portanto devem relacionar-se com ele o menos possível. Embora devam ser bons cidadãos enquanto possam sem comprometer suas crenças, os cristãos não devem trabalhar para o governo, nem votar nas eleições, nem servir no exército. (2) Outros acreditam que Deus deu ao estado autoridade em certos assuntos e à igreja em outros. Os cristãos podem ser leais a ambos e podem trabalhar para qualquer dos dois. Entretanto, não devem confundi-los aos dois. A igreja e o estado têm interesses em esferas totalmente diferentes, a espiritual e a física, que se complementam mas não atuam juntas. (3) Outros crentes pensam que os cristãos têm a responsabilidade de obter que o estado melhore. Podem-no fazer do campo político, escolhendo cristãos ou outros líderes com altos princípios. Também o podem fazer no moral, servindo de influência positiva na sociedade. Segundo este ponto de vista, idealmente a igreja e o estado têm que trabalhar juntos para o bem de todos. Nenhum destes pontos de vista defende a rebelião nem rechaça a obediência às leis ou regulações estabelecidas pelas autoridades, a menos que estas demandem com claridade que se violem normas morais reveladas Por Deus. Em qualquer lugar que nos achemos, devemos atuar como cidadãos e cristãos responsáveis. 13.3, 4 Quando as autoridades civis são injustas, as pessoas honestas temem. Neste versículo, Paulo se refere aos magistrados que cumprem com sua tarefa. Quando são justos, os que atuam com honestidade não têm nada que temer. 13.8 por que o amor a outros se considera uma dívida? Estamos permanentemente em dívida com Cristo por seu amor sem limites derramado a nosso favor. A única forma em que podemos começar a pagar a dívida é amando a outros. Já que o amor de Cristo sempre será imensamente superior ao nosso, temos a obrigação de amar a nosso próximo. 13.9 Às vezes temos a idéia de que amar-se a gente mesmo é mau. Mas se este fosse o caso, seria vão amar ao próximo como a nós mesmos. Paulo explica o que significa amar-se. Apesar de que você possivelmente tenha um sob conceito de si mesmo, duvido que vá estar disposto a deixar de comer. veste-se razoavelmente bem. Procura que exista um teto sobre sua cabeça. Tráfico de que não o defraudem nem injuriem. E se enfurece se alguém trata de arruinar seu matrimônio. Este é o tipo de amor que devemos brindar a nosso próximo. preocupa-se você de que outros se alimentem, tenham roupa e moradia? Preocupam-nos os assuntos relacionados com a justiça social? Amar a outros como a nós mesmos significa participar ativamente em que as necessidades de outros se supram. É interessante, mas é muito estranho que entre os que se preocupam com outros antes que por eles mesmos se achem pessoas que sofram de uma baixa auto-estima. 13.10 Os cristãos devem submeter-se à lei do amor, que substitui às leis religiosas e civis. Quão fácil é desculpar nossa indiferença para outros alegando não ter obrigação legal de lhes ajudar, e inclusive justificar o dano que lhes causamos se o que lhes fazemos é tecnicamente legal! Mas Jesus não deixa brechas na lei do amor. Quando o amor o demande, devemos estar dispostos a ir ainda além dos requisitos legais e imitar ao Deus de amor. se desejar mais informação sobre a lei do amor, vejam-se Jam 2:8-9; Jam 4:11 e 1Pe 2:16-17. 13.12-14 A noite se refere ao tempo presente de maldade. O dia alude à volta de Cristo. Algumas pessoas se surpreendem de que Paulo inclua lutas e invejas na lista em que estão os crassos e óbvios pecados de gulodice, bebedeira e lascívia. Como Jesus em seu Sermão do Monte (Mateus 5-7), Paulo considera que as atitudes são tão importantes como as ações. Assim como o ódio leva a assassinato, o zelo conduz à luta e a lascívia ao adultério. Quando Cristo volte, quer achar a seu povo limpo por dentro e por fora. 13.14 Como nos vestimos do Senhor Jesus Cristo? Primeiro, identificamo-nos com O mediante o batismo (Gal 3:27). Isto demonstra nossa solidariedade com outros cristãos e com a morte, sepultura e ressurreição do Jesucristo. Segundo, demonstramos as qualidades que Jesus revelou enquanto esteve na terra: amor, humildade, verdade, serviço. Perguntamo-nos o que faria Jesus em nosso lugar (vejam-se Eph 4:24-32; Col 3:10-17). Tampouco devemos dar a nossos desejos nenhuma oportunidade de nos levar a pecar. Evite as situações que abram a porta a satisfazer desejos pecaminosos.