x

Bibliatodo Comentários

Anúncios


Diário Viver

Romanos 1

1. Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para apóstolo, separado para o evangelho de Deus,

2. o qual antes havia prometido pelos seus profetas nas Santas Escrituras,

3. acerca de seu Filho, que nasceu da descendência de Davi segundo a carne,

4. declarado Filho de Deus em poder, segundo o Espírito de santificação, pela ressurreição dos mortos, —Jesus Cristo, nosso Senhor,

5. pelo qual recebemos a graça e o apostolado, para a obediência da fé entre todas as gentes pelo seu nome,

6. entre as quais sois também vós chamados para serdes de Jesus Cristo.

7. A todos os que estais em Roma, amados de Deus, chamados santos: Graça e paz de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.

8. Primeiramente, dou graças ao meu Deus por Jesus Cristo, acerca de vós todos, porque em todo o mundo é anunciada a vossa fé.

9. Porque Deus, a quem sirvo em meu espírito, no evangelho de seu Filho, me é testemunha de como incessantemente faço menção de vós,

10. pedindo sempre em minhas orações que, nalgum tempo, pela vontade de Deus, se me ofereça boa ocasião de ir ter convosco.

11. Porque desejo ver-vos, para vos comunicar algum dom espiritual, a fim de que sejais confortados,

12. isto é, para que juntamente convosco eu seja consolado pela fé mútua, tanto vossa como minha.

13. Não quero, porém, irmãos, que ignoreis que muitas vezes propus ir ter convosco ( mas até agora tenho sido impedido ) para também ter entre vós algum fruto, como também entre os demais gentios.

14. Eu sou devedor tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes.

15. E assim, quanto está em mim, estou pronto para também vos anunciar o evangelho, a vós que estais em Roma.

16. Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego.

17. Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé.

18. Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda impiedade e injustiça dos homens que detêm a verdade em injustiça;

19. porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou.

20. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder como a sua divindade, se entendem e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis;

21. porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu.

22. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos.

23. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis.

24. Pelo que também Deus os entregou às concupiscências do seu coração, à imundícia, para desonrarem o seu corpo entre si;

25. pois mudaram a verdade de Deus em mentira e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém!

26. Pelo que Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza.

27. E, semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.

28. E, como eles se não importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convém;

29. estando cheios de toda iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade;

30. sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes ao pai e à mãe;

31. néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia;

32. os quais, conhecendo a justiça de Deus ( que são dignos de morte os que tais coisas praticam ), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.

×

Romanos 1

1.1 Paulo escreveu esta carta à igreja em Roma. Ainda nenhum líder da igreja (Jacóo, Pedro, Paulo) tinha estado ali; a igreja se estabeleceu com crentes que visitaram Jerusalém durante o Pentecostés (Act 2:10) e viajantes que ouviram as boas novas em outros lugares e o levaram a Roma (por exemplo, Priscila e Aquila; Act 18:2; Rom 16:3-5). Paulo escreveu a carta aos Romanos durante seu ministério em Corinto (ao final de sua terceira viagem missionária, antes de voltar para Jerusalém; Act 20:3; Rom 15:25) para animar aos crentes e para lhes expressar seu desejo de visitá-los algum dia (em um lapso de três anos o fez). A igreja romana não tinha o Novo Testamento, porque talvez os Evangelhos não tinham circulado em sua forma escrita final. portanto, esta carta pode muito bem ser a primeira peça de literatura cristã que os romanos viram. Escrita a judeus e gentis cristãos, a carta aos Romanos é uma apresentação sistemática da fé cristã. 1.1 Quando Paulo, um judeu devoto que antes era um perseguidor de cristãos, acreditou, Deus o usou para pulverizar o evangelho através de todo o mundo. Apesar de sua prisão, Paulo finalmente pregou em Roma (Feitos 28) possivelmente até ao mesmo César. se desejar mais informação a respeito do Paulo, veja-se Feitos 9. 1.1 Paulo humildemente se autodenomina servo (escravo) do Jesucristo. Para um cidadão romano (e Paulo o era), optar por ser escravo era inimaginável, mas Paulo escolheu ser completamente dependente e obediente a seu Senhor amado. Qual é sua atitude para Cristo o Senhor? Nossa obediência ao capacita para ser úteis e servos e assim realizar o trabalho que na verdade importa. 1.2 Algumas das profecias que predizem as boas novas do Jesucristo são Gen 12:3; Psa 16:10; Psa 40:6-10; Psa 118:22; Isa 11:1ss; Zec 9:9-11; Zec 12:10; Mal 4:1-6. 1.3, 4 Paulo acreditava que Jesus era o Filho de Deus, o Messías prometido, e o Senhor ressuscitado. Paulo chamou o Jesus descendente do rei Davi para enfatizar que na verdade no se cumpriam as profecias do Antigo Testamento no sentido de que o Messías viria da linhagem do Davi. Com esta declaração de fé Paulo manifesta estar de acordo com os ensinos das Escrituras e dos apóstolos. 1.3-5 Aqui Paulo resume as boas novas do Jesucristo: (a) veio como humano, (2) era de linhagem real judeu, da linha do Davi, (3) morreu e ressuscitou, e (4) abriu a porta para que a graça e benignidade de Deus fossem nossas. O livro de Romanos desenvolve estes temas. 1.5, 6 Os cristãos têm grandes privilégios e responsabilidades. Paulo e os apóstolos receberam perdão (a graça de Deus) como um privilégio imerecido. Mas também lhes atribuiu a responsabilidade de anunciar a mensagem do perdão de Deus a outros. Deus perdoa os pecados de quem por fé acreditam no como Senhor. Ao nos fazê-lo comprometemos a viver uma vida nova. A nova vida do Paulo incluiu um chamado de Deus, uma responsabilidade que O lhe deu para atestar ante o mundo como missionário. Deus pode também nos chamar a ser missionários no estrangeiro, mas O chama a todos os crentes a atestar e a ser exemplo da mudança de vida que Jesus obra nos crentes. 1.6, 7 Paulo diz que a quem aceita a Cristo, O os convida a: (1) ser parte da família de Deus, e (2) ser gente Santa ("chamados a ser Santos", apartados, dedicados para seu serviço). Que expressão tão maravilhosa do que significa ser um cristão! Por ter renascido na família de Deus, possuímos a maior experiência de amor e a maior herança. Por tudo o que Deus tem feito por nós, devemos nos esforçar por ser um povo santo. 1.6-12 Paulo mostrou amor para a igreja em Roma expressando o amor de Deus por eles e sua própria gratidão e apoio em oração. Para fazer impacto na vida da gente, você precisa amá-la e acreditar nela. A paixão do Paulo por ensinar a esta gente e ter companheirismo com ela começa com o amor. Dê graças a Deus por seus irmãos cristãos e lhes diga quanto lhe importam. 1.7 Roma era a capital do Império Romano que se estendia por grande parte da Europa, o norte da África e o Próximo Oriente. Nos tempos do Novo Testamento, Roma desfrutava de sua idade de ouro. A cidade era rica na arte e as letras. Era um centro cultural mas a sua vez a moral era decadente. Os romanos rendiam culto a muitos deuses pagãos. Inclusive adoraram a alguns dos imperadores. Em contraste com os romanos, os seguidores de Cristo acreditavam em um só Deus e viviam moralmente. 1.7 O cristianismo era muito diferente ao poderio militar dos romanos. Muitos eram simplesmente pragmáticos, acreditavam que o fim justificava os meios. E para os romanos, nada era melhor que o vigor físico. Confiavam em seu poderio militar para proteger-se contra seus inimigos. Os cristãos de todas as idades devem recordar que Deus é a única fonte de permanente segurança e salvação e, ao mesmo tempo, O é nosso Pai! 1.8 Paulo usa a frase "graças a meu Deus mediante Jesucristo" para enfatizar que Cristo é o único mediador entre Deus e o homem. Através do, Deus nos enviou seu amor e perdão; no nome de Cristo expressamos nosso agradecimento a Deus (veja-se 1Ti 2:5). 1.8 Como os cristãos romanos se achavam no centro do poderio político do mundo ocidental, eram extremamente visíveis. Por fortuna, sua reputação era excelente; sua fé sólida se dava a conhecer em todo mundo. O que diz a gente quando fala a respeito de sua congregação ou denominação? São certos seus comentários? O que poderia fazer você para que notem outros aspectos? Qual é a melhor maneira de que o público reconheça sua fé? 1.9, 10 Quando orar por alguma preocupação, não se surpreenda pela forma em que Deus responda. Paulo orava por sua visita a Roma a fim de ensinar aos cristãos ali. Quando ao fim chegou a Roma, foi em qualidade de prisioneiro (veja-se Act 28:16). Paulo orou por uma viagem tranqüila e chegou sem novidade depois que o prendessem, esbofeteassem, naufragasse e, entre outras coisas, mordesse-o uma víbora. Freqüentemente, a maneira em que Deus responde nossas orações difere muito do que esperamos. Quando orar, espere a resposta de Deus embora às vezes em maneiras inesperadas. 1.11, 12 Paulo orava por ter a oportunidade de visitar estes cristãos a fim de animá-los quanto a seus dons e fé, e que eles a sua vez o animassem a ele. Como missionário de Deus, ajudou-lhes a compreender o significado das boas novas do Jesus. Como povo santo de Deus, eles poderiam lhe brindar companheirismo e bem-estar. Quando os cristãos se reúnen, cada um devesse dar e receber. Nossa fé em comum nos dá uma linguagem e propósito comuns para nos animar uns aos outros. 1.13 Ao final de sua terceira viagem missionária, Paulo visitou Síria, Galacia, Ásia, Macedônia e Acaya. Às Iglesias destas regiões lhes chamava gentis devido a que estavam compostas principalmente de gentis. 1.14 Com "a gregos e a não gregos", Paulo se refere a todos os da cultura grega e aos que não são desta cultura. "A sábios e a não sábios" se refere às pessoas educadas e às analfabetas. Qual era a dívida do Paulo? depois de sua experiência com Cristo no caminho a Damasco (Feitos 9), consumiu toda sua vida em pregar as boas novas de salvação. Sua dívida era com Cristo por ser seu Salvador e devia pagá-la a todo mundo. Pagou sua dívida proclamando a salvação que há em Cristo para todos, sejam gentis ou judeus, sem importar barreiras culturais, sociais, raciais nem econômicas. Temos a mesma dívida com Cristo porque O recebeu o castigo reservado para nós, pelo pecado. Apesar de que é impossível lhe pagar a Cristo por tudo o que tem feito, podemos demonstrar nossa gratidão ao dar amor a outros. 1.16 Paulo não se envergonhava porque sua mensagem era a mensagem de Cristo, as boas novas. Era uma mensagem de salvação, capitalista para trocar vistas e para todos. Quando se sentir tentado a envergonhar-se, recorde que as boas novas se referem a tudo isto. Se se centrar em Deus e no que faz no mundo, antes que em suas limitações, sua vergonha logo desaparecerá. 1.16 por que a mensagem foi antes aos judeus? Por mais de dois mil anos foi um povo especial para Deus, desde que Deus escolheu ao Abraão e lhe prometeu grandes bênções a seus descendentes (Gen 12:1-3). Deus não os escolheu porque o merecessem (Deu 7:7-8; Deu 9:4-6), mas sim porque quis mostrar seu amor e misericórdia através deles, lhes ensinar e lhes preparar para a vinda do Messías ao mundo. Escolheu-os não porque tenha favoritos, mas sim para que o mundo conhecesse seu plano de salvação. Por séculos os judeus aprenderam a respeito de Deus mediante a obediência a suas leis, celebrando suas festas e vivendo de acordo a seus princípios morais. Freqüentemente esqueciam as bênções de Deus e sofriam a disciplina, mas mesmo assim possuíam a herança preciosa de poder acreditar e obedecer ao único Deus verdadeiro. De entre todos os habitantes da terra, os judeus deviam ter sido os primeiros em receber ao Messías e compreender sua mensagem e missão, e assim aconteceu com alguns (veja-se Luk 2:25, Luk 2:36-38). É obvio, os discípulos e o grande apóstolo Paulo foram judeus fiéis que reconheceram no Jesus ao dom mais precioso de Deus dado ao gênero humano. 1.16 Judeus e cristãos por igual se opuseram às religiões romanas idólatras e os funcionários romanos freqüentemente confundiam a ambos os grupos. Isto era muito fácil que acontecesse já que a igreja cristã em Roma se compunha de judeus convertidos que assistiram à festa do Pentecostés (veja-se Act 2:1ss). Quando Paulo escreveu Romanos, entretanto, muitos gentis também se reuniam na igreja. Os judeus e os gentis precisavam entender a relação entre o judaísmo e o cristianismo. 1.17 O evangelho mostra como Deus é justo em seu plano para nos salvar e como pode nos fazer aptos para a vida eterna. Ao confiar em Cristo, entramos em boa relação com Deus. Do princípio ao fim, Deus nos declara justos por fé e só por fé. 1.17 Paulo cita Hc 2:4. Quando Habacuc disse "viverá", possivelmente se referia sozinho à vida presente, mas Paulo amplia o conceito para incluir também a vida eterna. Ao confiar em Deus, obtemos salvação; achamos vida agora e para sempre. 1.18 por que Deus revela sua ira contra os pecadores? Porque substituem a verdade a respeito Do com fantasias e imaginações (1.25). Afogam a verdade de Deus naturalmente revelada a todas as pessoas, a fim de acreditar algo que sustente seu estilo de vida egocêntrico. Deus não pode tolerar o pecado porque sua natureza é moralmente perfeita. Não pode passar por cima nem comutar uma rebelião tão deliberada. Deus quer tirar o pecado e restaurar ao pecador, e pode fazê-lo na medida que o pecador não distorça nem rechace a verdade com obstinação. Mas sua ira se revela contra os que persistem em pecar. Assegure-se de não ir depois de uma fantasia em vez de ir depois do verdadeiro Deus. Não despreze a verdade a respeito Do por proteger seu próprio estilo de vida. 1.18ss Romanos 1.18-3.20 desenvolve o argumento do Paulo de que ninguém pode dizer que por seus méritos é aceitável ante os olhos de Deus: nem as multidões, nem os romanos, nem sequer os judeus. Todas as pessoas, sem importar o lugar em que se achem, merecem a condenação de Deus por seus pecados. 1.18-20 Possui alguém desculpa para não acreditar em Deus? A Bíblia responde com um enfático não. Deus revelou sua existência através da natureza. Cada pessoa, portanto, deve aceitar ou rechaçar a Deus. Não seja negligente. Quando chegar o dia em que deva ser julgado pelo que tenha escolhido, não haverá desculpa. Comece a lhe dar hoje sua devoção e adoração. 1.18-20 Nestes versículos, Paulo responde a uma objeção comum: Como um Deus amoroso pode enviar a alguém ao inferno, sobre tudo a quem alguma vez ouviu a respeito de Cristo? Paulo diz que Deus nos revelou ampliamente em sua criação. E a gente segue ainda rechaçando este conhecimento básico de Deus. Além disso, cada um sabe em seu foro interno o que Deus demanda, mas optam por não viver de acordo a isso. Em outras palavras, nossas normas morais são sempre melhores que nossa conduta. Se a gente suprimir a verdade de Deus a fim de viver a sua maneira, não tem desculpa. Conhece a verdade e tem que sofrer as conseqüências de passá-la por alto. 1.18-20 Algumas pessoas se perguntam por que necessitamos missionários se a gente pode conhecer deus através da natureza (a criação). A resposta: (1) Apesar de que a gente sabe que Deus existe, anulam esta verdade com suas perversões e rechaçam assim toda relação com O. Os missionários com muito tato lhes assinalam esse engano e lhes mostram a possibilidade de um novo começo. (2) Apesar de que as pessoas podem acreditar em Deus, não querem compromissos com O. Os missionários tentam persuadi-los mediante palavras afetuosas e obras de amor. (3) Os missionários convencem às pessoas que rechaça a Deus das perigosas conseqüências desse rechaço. (4) Através dos missionários a igreja obedece a Grande Comissão de nosso Senhor (Mat 28:19-20). (5) E o que é mais importante, embora a natureza revela a Deus, às pessoas terá que lhe falar de Cristo e como, através do, podem ter uma relação pessoal com Deus. Não é suficiente saber que Deus existe. A gente deve aprender que Deus é amor. Deve entender o que fez para nos demonstrar seu amor (Mat 5:8). Deve mostrar-se os como aceitar o perdão de pecados que oferece Deus. (Veja-se também 10.14, 15.) 1.20 Que tipo de Deus nos revela a natureza? A natureza nos mostra um Deus poderoso, inteligente, minucioso, um Deus de ordem e formosura; um Deus que controla todas as coisas. Esta é sua revelação geral. Através de sua revelação especial (a Bíblia e a vinda do Jesus), aprendemos sobre o amor, o perdão e a vida eterna que Deus oferece. Em sua graça nos revelou que estas duas maneiras, para que possamos acreditar no. 1.20 Deus se revela através da natureza apesar de que este testemunho se distorceu com a queda do homem. O pecado do Adão motivou que a maldição divina caísse sobre a natureza (Gen 3:17-19). Os espinheiros e os cardos foram os resultados imediatos, e após e até nossos dias os desastres naturais foram comuns. Em Rom 8:19-21, Paulo diz que a natureza mesma espera ansiosamente ser redimida dos efeitos do pecado (veja-se Rev 22:3). 1.21-23 Como podem as pessoas inteligentes voltar-se idólatras? A idolatria começa quando a gente rechaça o que sabe a respeito de Deus. Em lugar de pôr seus olhos no, o Criador e sustentador da vida, atuam como se fossem o centro do universo. Muito em breve inventam "deuses" que se ajustam muito bem a seu egoísmo, seus planos e seus intuitos. Estes deuses podem ser figuras de madeira, mas também podem ser metas ou coisas que queremos ter tais como dinheiro, poder ou comodidades. Até poderiam ser representações errôneas de Deus mesmo nas que o conformamos a nossa imagem, em lugar de que seja ao reverso. O denominador comum é: os idólatras adoram as coisas que Deus tem feito antes que a Deus mesmo. Quais são suas prioridades? Onde estão seus sonhos, planos, esperanças? Rende culto a Deus ou a ídolos que se fabricou? 1.21-32 Paulo com toda claridade descreve a inevitável espiral descendente do pecado. Primeiro, as pessoas rechaçam a Deus; depois, fazem-se suas idéias do que deve ser e fazer um deus; logo caem em pecado: pecado sexual, cobiça, ódio, inveja, homicídio, dissensão, engano, malícia, intriga. Por último, cresce seu ódio para Deus e animam a outros a que sintam o mesmo. Deus não dá início a esta progressão para o mal. Mas quando as pessoas o rechaçam, concede-lhes viver como têm escolhido. Deus os entrega ou os faz sentir a conseqüência natural de seus pecados. Uma vez apanhados pela espiral descendente, não podem livrar-se. Os pecadores devem confiar em Cristo somente se tiverem que achar a via de escapamento. 1.23 Quando Paulo diz que o homem trocou a glória do Deus incorruptível em semelhança de imagens de aves, de quadrúpedes e de répteis, parecesse que a propósito define a maldade do homem nos termos utilizados em Gênese, onde se narra a queda do Adão (veja-se Gen 1:20-26). Quando adoramos à criatura em lugar do Criador, perdemos de vista nossa identidade como seres superiores aos animais, feitos à imagem de Deus. 1.24-32 Estas pessoas decidiram rechaçar a Deus e O o permitiu. Pelo general, Deus não interfere em nossas decisões que vão contra sua vontade. Permite-nos declarar nossa aparente independência do, apesar de que sabe que em pouco tempo seremos escravos de nossa rebeldia, e perderemos a liberdade de não pecar. Tem a vida sem Deus a aparência de liberdade para você? Estude-o bem. Não há pior escravidão que a do pecado. 1.25 A gente tende a acreditar em mentiras que respaldam suas próprias crenças egocêntricas. Hoje mais que nunca devemos tomar cuidado com os dados aos que permitimos moldar nossas convicções. Através da televisão, a música, os filmes e o resto dos meios maciços de comunicação que nos apresentam estilos de vida pecaminosos e valores insalubres, constantemente nos bombardeiam com atitudes e crenças opostas por completo à Bíblia. Tome cuidado com o que permite chegue a formar parte de suas opiniões. A Bíblia é a única norma de verdade. Avalie as demais opiniões à luz de seus ensinos. 1.26, 27 O plano divino quanto às relações sexuais normais é o ideal de Deus para sua criação. É lamentável, mas o pecado distorce o uso natural dos dons de Deus. Freqüentemente, o pecado não só implica negar a Deus, mas também negar a forma em que nos fez. Quando uma pessoa diz que qualquer ato sexual é aceitável sempre que não fira ninguém, está-se enganando. À larga (e pelo general breve) o pecado fere às pessoas: indivíduos, famílias, sociedade. Que lamentável que a gente adore as coisas que Deus tem feito em lugar de render culto ao Criador, ao grau que muitas vezes distorça e destrua as coisas que realmente valem! Entretanto, é impossível compreender o plano natural de Deus sem chegar a conhecer criador mesmo. 1.26, 27 A homossexualidade (mudança ou abandono das relações sexuais naturais) propagou-se nos dias do Paulo como nos nossos. Muitas práticas pagãs o respiravam. A vontade de Deus é receber a tudo o que vá ao em fé e os cristãos devem amar a outros sem importar sua procedência. Entretanto, a homossexualidade está estritamente proibida nas Escrituras (Lev 18:22). No mundo de hoje, muitos consideram aceitável esta prática, inclusive algumas Iglesias. Mas a sociedade não é a que estabelece o patrão para as leis de Deus. Muitos homossexuais acreditam que seus desejos são normais e que têm o direito de expressá-los. Mas Deus não nos obriga nem anima a satisfazer todos nossos desejos (até os que são normais). Os desejos que violam suas leis são indevidos e devem controlar-se. Se você tiver estes desejos, pode e deve resisti-los. Conscientemente evite lugares ou atividades que sabe inflamará tentações desta natureza. Não menospreze o poder de Satanás para tentá-lo nem o potencial para lhe causar um dano sério se ceder a essas tentações. Recorde, Deus pode e perdoará pecados sexuais assim como perdoa outros pecados. Renda-se à graça e à misericórdia de Deus lhe pedindo que lhe mostre o caminho para sair do pecado e ir à luz de sua liberdade e amor. A oração, o estudo da Bíblia e o firme companheirismo dos cristãos em uma igreja centrada na Bíblia podem lhe ajudar a cobrar energias para resistir estas tentações poderosas. Se você for uma pessoa que anda neste pecado, terá que procurar a ajuda de um pastor que seja confiável, profissional e bom conselheiro. 1.32 Como sabia esta gente que o castigo que Deus impõe a estes delitos é a morte? Os seres humanos, criados à imagem de Deus, têm consciência e natureza moral básica. Esta verdade se aceita além dos círculos religiosos. Os sicólogos, por exemplo, dizem que a pessoa sem consciência sofre uma séria desordem da personalidade que é muito difícil de tratar. Por instinto, muitas pessoas se dão conta quando fazem algo incorreto, mas pudesse não lhes importar. Algumas pessoas, inclusive, arriscam-se a uma morte temprana por saciar seus desejos agora. "Sei que é mau, mas o quero", dizem; ou "Sei que é perigoso, mas correrei o risco". Para este tipo de pessoas, parte de sua distração é ir contra a vontade de Deus, as normas morais da comunidade, o sentido comum e seu conceito do que é bom ou mau. Mas no profundo de seu ser sabem que o pagamento do pecado é a morte (6.23). QUE É FÉ? Fé é uma palavra com muitos significados. Pode significar fidelidade (Mat 24:45), confiança absoluta, como o demonstraram algumas pessoas que foram ao Jesus procurando sanidade (Luk 7:2-10). Pode significar uma esperança confiada (Hb 11:1). Ou, como Santiago menciona, crença morta que não se mostra em boas obras (Jam 2:14-26). O que quis dizer Paulo quando, em Romanos, fala da fé salvadora? Devemos ser muito cuidadosos para compreender como Paulo usa a palavra fé devido a que a relaciona com a salvação. Não é algo que devemos fazer a fim de ganhar a salvação; se fosse assim, a fé seria sozinho uma obra mais e Paulo estabelece com claridade que as obras humanas nunca poderão nos salvar (Gal 2:16). Em troca, a fé é um dom que Deus nos dá porque é nosso Salvador (Eph 2:8). A graça de Deus é o que nos salva, não nossa fé. Em sua misericórdia, entretanto, quando O nos salva nos dá fé, uma relação com seu Filho que nos ajuda a ser como O. Mediante a fé que nos dá, passamos de morte a vida (Joh 5:24). Até no período do Antigo Testamento, a graça, não as obras, foi a base da salvação. Como Hebreus assinala: "Porque o sangue de touros e dos machos caibros não pode tirar os pecados" (Joh 10:4). Deus procurava que seu povo, além dos sacrifícios de animais, visse-o o, mas freqüentemente punham sua confiança no cumprimento das demandas da Lei: levar a cabo os sacrifícios ordenados. Quando Jesus triunfou sobre a morte, cancelou os cargos que existiam em nosso contrário e abriu o caminho ao Pai (Col 2:12-15). devido a sua misericórdia nos brinda fé. Que trágico que convertamos a fé em obras e tratemos das efetuar dependendo de nós mesmos! Não podemos nos aproximar de Deus mediante nossa fé, nunca mais como no Antigo Testamento a gente se aproximava de Deus através de seus sacrifícios. Em lugar disso devemos aceitar seu oferecimento com ação de obrigado e lhe permitir plantar a semente de fé em nós.






Anúncios