x

Bibliatodo Comentários

Anúncios


Diário Viver
Mateus 6

1. Guardai-vos de fazer a vossa esmola diante dos homens, para serdes vistos por eles; aliás, não tereis galardão junto de vosso Pai, que está nos céus.

2. Quando, pois, deres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.

3. Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita,

4. para que a tua esmola seja dada ocultamente, e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente.

5. E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.

6. Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai, que vê o que está oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te recompensará.

7. E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que, por muito falarem, serão ouvidos.

8. Não vos assemelheis, pois, a eles, porque vosso Pai sabe o que vos é necessário antes de vós lho pedirdes.

9. Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome.

10. Venha o teu Reino. Seja feita a tua vontade, tanto na terra como no céu.

11. O pão nosso de cada dia dá-nos hoje.

12. Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores.

13. E não nos induzas à tentação, mas livra-nos do mal; porque teu é o Reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém!

14. Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós.

15. Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas.

16. E, quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas, porque desfiguram o rosto, para que aos homens pareça que jejuam. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.

17. Porém tu, quando jejuares, unge a cabeça e lava o rosto,

18. para não pareceres aos homens que jejuas, mas sim a teu Pai, que está oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te recompensará.

19. Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam.

20. Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam, nem roubam.

21. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.

22. A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz.

23. Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!

24. Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há de odiar um e amar o outro ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom.

25. Por isso, vos digo: não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo, mais do que a vestimenta?

26. Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas?

27. E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura?

28. E, quanto ao vestuário, porque andais solícitos? Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham, nem fiam.

29. E eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles.

30. Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pequena fé?

31. Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos ou que beberemos ou com que nos vestiremos?

32. ( Porque todas essas coisas os gentios procuram. ) Decerto, vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas essas coisas;

33. Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas.

34. Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.

×
Mateus 6

6.2 O termo hipócrita, conforme se usa aqui, refere-se à pessoa que faz boas obras só por aparência, não por compaixão nem nenhum outro motivo bom. Suas ações podem ser boas mas seus motivos são maus. Esses atos vazios são sua recompensa, enquanto que Deus premiará aos que são sinceros em sua fé. 6.3 Quando Jesus diz "não saiba sua mão esquerda o que faz sua direita", quer significar que nossos motivos para dar devem ser puros. É fácil dar com motivos mistos, fazer algo em favor de alguém se for beneficiar em alguma maneira. Os crentes devessem evitar todo artifício e dar sozinho pela satisfação de dar e assim responder ao amor de Deus. Qual é sua motivação ao dar? <.5W1C1> 6.3, 4 É muito fácil dar por reconhecimento e louvor. Para nos assegurar de que nossos motivos não são egoístas devêssemos realizar nossas boas obras quieta e silenciosamente, sem esperar recompensa. Jesus diz que devemos revisar nossos motivos quanto a generosidade (6.4), oração (6.6) e jejum (6.18). Estas obras não devem ser egocêntricas, a não ser teocéntricas, e não para nos fazer luzir bem, a não ser para fazer a Deus luzir bem. A recompensa que Deus promete não é material e nunca é dada aos que a buscam. Fazer algo solo para nós não é um sacrifício de amor. Quando tiver a oportunidade de fazer uma boa obra, pergunte-se: "Faria isto embora ninguém soubesse?" 6.5, 6 Algumas pessoas, especialmente os líderes religiosos, queriam que os vissem como "Santos", e a oração pública era uma das maneiras que empregavam para obtê-lo. Jesus viu além de seus atos de justiça própria e ensinou que a essência da oração não radica no que se diz (nem como nem onde), a não ser na comunicação com Deus. É válido orar em público, mas orar sozinho onde vamos ser vistos é uma indicação de que nossa audiência verdadeira não é Deus. 6.7, 8 Algumas pessoas pensam que repetir as mesmas palavras uma e outra vez, como um encantamento, fará que Deus lhes ouça. Não é errôneo nos aproximar de Deus com a mesma petição; Jesus nos anima a que elevemos orações persistentes. Mas condenação as repetições corriqueiras que não se elevam com um coração sincero. Nunca se ora muito se nossas orações forem sinceras. 6.9 Esta oração pode ser um modelo para nossas orações. Devemos elogiar a Deus, orar por sua obra no mundo, orar por nossas necessidades cotidianas e orar solicitando sua ajuda em nossos conflitos diários. 6.9 A frase "Pai nosso que está nos céus" indica que Deus não só é majestoso e santo, mas também pessoal e amoroso. O primeiro artigo desta oração modelo é uma declaração de louvor e dedicação a honrar o nome santo de Deus. Honramos o nome de Deus ao usá-lo com respeito. Se usarmos o nome de Deus ligeiramente, não tomamos em conta a santidade de Deus. 6.10 A frase "Venha seu reino" é uma referência ao reino espiritual de Deus, não a que o Israel fora liberada do jugo de Roma. O Reino de Deus foi anunciado no pacto com o Abraão (8.11; Luk 13:28), está presente no reinado de Cristo no coração de cada crente (Luk 17:21), e será completado quando a maldade seja destruída e O estabeleça novos céus e terra (Rev 21:1). 6.10 Quando oramos "Faça-se sua vontade", não estamos nos abandonando à sorte, mas sim estamos orando que o propósito perfeito de Deus se cumpra neste mundo como no mais à frente. 6.11 Quando oramos "nosso pão de cada dia nos dêem isso hoje" reconhecemos que Deus é nosso sustentador e fornecedor. É um 2 pensar que dependemos de nós mesmos. Confiamos em que Deus cada dia tem que nos proporcionar o que sabe que necessitamos. 6.13 Jesus não está sugiriendo que Deus nos guia para a tentação. Simplesmente está pedindo que sejamos sacados de Satanás e seus enganos. Todos os cristãos enfrentam tentações. Algumas vezes é tão sutil que inclusive não sabemos o que nos está passando. Deus nos prometeu que não permitirá que sejamos tentados além do que possamos suportar (1Co 10:13). lhe peça a Deus que lhe permita reconhecer a tentação, que lhe dê forças suficientes para enfrentá-la e que possa seguir o caminho de Deus. Para maior informação a respeito da tentação, vejam-nas notas de 4.1. 6.14, 15 Jesus nos põe em alerta quanto ao perdão se refere: se não querermos perdoar a outros, tampouco Deus nos perdoará. por que? Porque quando não perdoamos a outros estamos negando o que temos em comum como pecadores necessitados do perdão de Deus. O perdão de Deus não é o resultado direto de nosso ato perdonador para outros, mas sim está apoiado em nosso entendimento do significado do perdão (veja-se Eph 4:32). É fácil pedir a Deus seu perdão, mas é difícil dá-lo a outros. Quando pedirmos a Deus que nos perdoe, devemos nos perguntar: "perdoei às pessoas que me feriram ou ofendeu?" 6.16 Jejuar, não tomar mantimentos com o propósito de empregar o tempo em oração, é nobre e dificultoso. Dá-nos tempo para orar, ensina-nos auto-disciplina, recorda-nos que podemos viver com muito menos e nos ajuda a apreciar os dons de Deus. Jesus não estava condenando o jejum a não ser a hipocrisia de jejuar com o fim de ganhar a aprovação da gente. O jejum era obrigatório para os judeus uma vez ao ano, no Dia da Expiação (Lev 23:32). Os fariseus jejuavam voluntariamente duas vezes à semana para impressionar às pessoas com sua "santidade". Jesus recomendou atos de autosacrificio feitos em silêncio e com sinceridade. Procurou pessoas que o servissem com bons motivos, não para satisfazer ânsias de louvor. 6.17 O azeite de oliva se usava como um cosmético similar a uma loção. Jesus está dizendo: "Quando jejuar faz todo o resto de forma normal. Não faça do jejum um espetáculo". 6.20 Fazer tesouros no céu não é sozinho pagar o dízimo, mas sim se obtém também com qualquer ato de obediência a Deus. Há certo sentido em que ao dar à obra de Deus estamos invirtiendo no céu, mas nossa intenção deveria ser procurar o cumprimento dos propósitos de Deus em tudo o que fazemos, não só no que fazemos com nosso dinheiro. 6.22, 23 Visão espiritual é nossa capacidade de ver com claridade o que Deus quer fazer em nós e ver o mundo através de seus olhos. Mas este discernimento espiritual pode ser facilmente opacado. Os desejos, interesses e metas egoístas bloqueiam essa visão. Servir a Deus é a melhor maneira de restaurá-la. O "bom" olho é o que se fixa em Cristo. 6.24 Jesus diz que podemos servir sozinho a um senhor. Vivemos em uma sociedade materialista onde muitas pessoas servem ao dinheiro. Empregam suas vidas em ganhar e entesourar, solo para morrer e ter que deixá-lo tudo. Seu desejo de ter dinheiro e o que podem adquirir com ele chega a ter maior preponderância que sua entrega a Deus e que os assuntos espirituais. O que entesoure lhe absorverá tempo e energias para pensar nisso. Não caia na armadilha do materialismo porque "o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males" (1Ti 6:10). Poderia assegurar, com toda sinceridade, que Deus é seu Senhor e não o dinheiro? Uma maneira de nos examinar é nos perguntando o que ocupa principalmente meus pensamentos, tempo e esforços. 6.24 Jesus contrastou os valores celestiales com os terrestres quando afirmou que devemos dedicar nossa lealdade prioritária às coisas que não se murcham, que ninguém pode roubar e que não envelhecem. Não devêssemos chegar ao extremo de nos fascinar tanto por nossas posses ao grau que sejamos seus escravos. Isto significa que devêssemos fazer alguns recortes em caso de que nossas posses estivessem convertendo-se em muito importantes para nós. Jesus está chamando a tomar uma decisão que nos permita viver tranqüilamente com o que tenhamos porque escolhemos o que é eterno e duradouro. 6.25 devido a seus efeitos insalubres, sugere-nos não nos preocupar com aquelas coisas que Deus promete suprir. A preocupação pode (1) danificar sua saúde, (2) dar lugar a que o objeto de sua angústia consuma seus pensamentos, (3) diminuir sua produtividade, (4) afetar negativamente a forma em que você trata a outros, e (5) reduzir sua capacidade de confiar em Deus. Aqui está a diferença entre a angústia e a preocupação genuína: a angústia imobiliza mas a preocupação nos move à ação. 6.33 "Procurar o reino de Deus e sua justiça" significa procurar sua ajuda em primeiro lugar, saturar nossos pensamentos com seus desejos, tomar seu caráter como modelo e lhe servir e lhe obedecer em tudo. O que é o mais importante para você? Haverá pessoas, objetos, metas e outros desejos que compitam quanto a prioridade. Qualquer destes pode tirar deus do primeiro lugar se você não decidir enfaticamente lhe dar o primeiro lugar em todos os aspectos de sua vida. 6.34 Planejar para o manhã é tempo bem investido; trabalhar em excesso-se pelo manhã é tempo perdido. Algumas vezes é dificultoso notar a diferença. Planejar é pensar com antecipação em metas, passos e datas, e confiar na direção de Deus. Quando se faz bem, o afã diminui. que se trabalha em excesso, em troca, vê-se assaltado pelo temor e lhe faz difícil confiar em Deus. que se trabalha em excesso deixa que seus planos interfiram em sua relação com Deus. Não permita que seu afã pelo manhã afete suas relações com Deus. Jesus E AS LEIS DO ANTIGO TESTAMENTO Referências e exemplos de misericórdia no Antigo Testamento : Lev 19:18 : "Não te vingará, nem guardará rancor aos filhos de seu povo, a não ser amará a seu próximo como a ti mesmo. Eu Jeová". Pro 24:28-29 : "Não seja sem causa testemunha contra seu próximo, e não lisonjeie com seus lábios. Não diga: Como me fez, assim lhe farei; darei o pagamento ao homem segundo sua obra". Pro 25:21-22 : "Se o que te aborrecer tuviere fome, lhe dê de comer pão. E se tuviere sede, lhe dê de beber água; porque brasas amontoará sobre sua cabeça, e Jeová lhe pagará isso". Lam 3:27-31 : "Dê a bochecha ao que lhe fere, e seja loja de comestíveis de afrontas. Porque o Senhor não despreza para sempre". O que parece que Jesus contradiz das leis do Antigo Testamento é digno de uma cuidadosa análise. É muito fácil passar por cima a grande misericórdia com que se escreveram as leis do Antigo Testamento. Acabamos de dar vários exemplos. O sistema de justiça com misericórdia que Deus criou se distorceu com o passo dos anos e se converteu em justificação para a vingança. O que Jesus atacou foi a má aplicação da Lei.





Anúncios