- Anúncios -
x

Bibliatodo Comentários




Diário Viver
Lucas 21

1. E, olhando ele, viu os ricos lançarem as suas ofertas na arca do tesouro;

2. e viu também uma pobre viúva lançar ali duas pequenas moedas;

3. e disse: Em verdade vos digo que lançou mais do que todos esta pobre viúva,

4. porque todos aqueles deram como ofertas de Deus do que lhes sobeja; mas esta, da sua pobreza, deu todo o sustento que tinha.

5. E, dizendo alguns a respeito do templo, que estava ornado de formosas pedras e dádivas, disse:

6. Quanto a estas coisas que vedes, dias virão em que se não deixará pedra sobre pedra que não seja derribada.

7. E perguntaram-lhe, dizendo: Mestre, quando serão, pois, essas coisas? E que sinal haverá quando isso estiver para acontecer?

8. Disse, então, ele: Vede que não vos enganem, porque virão muitos em meu nome, dizendo: Sou eu, e o tempo está próximo; não vades, portanto, após eles.

9. E, quando ouvirdes de guerras e sedições, não vos assusteis. Porque é necessário que isso aconteça primeiro, mas o fim não será logo.

10. Então, lhes disse: Levantar-se-á nação contra nação, e reino, contra reino;

11. e haverá, em vários lugares, grandes terremotos, e fomes, e pestilências; haverá também coisas espantosas e grandes sinais do céu.

12. Mas, antes de todas essas coisas, lançarão mão de vós e vos perseguirão, entregando-vos às sinagogas e às prisões e conduzindo-vos à presença de reis e governadores, por amor do meu nome.

13. E vos acontecerá isso para testemunho.

14. Proponde, pois, em vosso coração não premeditar como haveis de responder,

15. porque eu vos darei boca e sabedoria a que não poderão resistir, nem contradizer todos quantos se vos opuserem.

16. E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues; e matarão alguns de vós.

17. E de todos sereis odiados por causa do meu nome.

18. Mas não perecerá um único cabelo da vossa cabeça.

19. Na vossa paciência, possuí a vossa alma.

20. Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei, então, que é chegada a sua desolação.

21. Então, os que estiverem na Judéia, que fujam para os montes; os que estiverem no meio da cidade, que saiam; e, os que estiverem nos campos, que não entrem nela.

22. Porque dias de vingança são estes, para que se cumpram todas as coisas que estão escritas.

23. Mas ai das grávidas e das que criarem naqueles dias! Porque haverá grande aflição na terra e ira sobre este povo.

24. E cairão a fio de espada e para todas as nações serão levados cativos; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem.

25. E haverá sinais no sol, e na lua, e nas estrelas, e, na terra, angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas;

26. homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo, porquanto os poderes do céu serão abalados.

27. E, então, verão vir o Filho do Homem numa nuvem, com poder e grande glória.

28. Ora, quando essas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai a vossa cabeça, porque a vossa redenção está próxima.

29. E disse-lhes uma parábola: Olhai para a figueira e para todas as árvores.

30. Quando já começam a brotar, vós sabeis por vós mesmos, vendo-as, que perto está já o verão.

31. Assim também vós, quando virdes acontecer essas coisas, sabei que o Reino de Deus está perto.

32. Em verdade vos digo que não passará esta geração até que tudo aconteça.

33. Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não hão de passar.

34. E olhai por vós, para que não aconteça que o vosso coração se carregue de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia.

35. Porque virá como um laço sobre todos os que habitam na face de toda a terra.

36. Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de evitar todas essas coisas que hão de acontecer e de estar em pé diante do Filho do Homem.

37. E, de dia, ensinava no templo e, à noite, saindo, ficava no monte chamado das Oliveiras.

38. E todo o povo ia ter com ele ao templo, de manhã cedo, para o ouvir.

×
Lucas 21

21.1, 2 Jesus se achava no lugar do templo chamado átrio das mulheres e o arca das oferendas ficava ali ou em um corredor anexo. Neste lugar havia sete urnas. Em una os fiéis depositavam seus impostos ao templo e nas seis restantes se depositavam as oferendas voluntárias como a que deu esta mulher. Não só era pobre, além disso, como viúva tinha muito poucos recursos para obter ganhos econômicos. Sua pequena contribuição foi um sacrifício, mas o fez voluntariamente. 21.1-4 Esta viúva deu tudo o que tinha, em contraste com a forma em que administramos nosso dinheiro. Quando consideramos um grande consigo dar certa quantidade de dinheiro, parecemo-nos com todos os que deram sozinho um pouco do que não necessitavam. Aqui Jesus admira a oferenda com sacrifício. Como crentes, podemos incrementar nossa dádiva, seja dinheiro, tempo ou talentos ainda além do que seja conveniente ou seguro. 21.5, 6 O templo que os discípulos admiravam não era o do Salomão, destruído pelos babilonios no século VII a.C. Este templo o construiu Esdras depois de sua volta do exílio no século VI a.C., profanado pelos seléucidas no século II a.C. Reconsagrado pelos macabeos pouco depois e ampliado enormemente pelo Herodes o Grande no lapso de quarenta e seis anos. Era uma estrutura formosa, com uma história significativa, mas Jesus disse que seria destruída totalmente. Isto aconteceu em 70 D.C. quando o exército romano acendeu Jerusalém. 21.7ss Jesus não abandonou a seus discípulos sem antes prepará-los para as dificuldades dos anos vindouros. Pô-lhes a par de que viriam falsos messías, desastres naturais e perseguições, mas ao mesmo tempo lhes assegurou que O estaria com eles para protegê-los e fazer que seu Reino se conhecesse através deles. Prometeu-lhes que retornaria em poder e glória para salvá-los. As advertências do Jesus e suas promessas aos discípulos seguem vigentes para nós enquanto esperamos sua vinda. 21.12, 13 Estas perseguições começaram muito em breve. Lucas se referiu a muitas delas em Feitos. Da prisão, Paulo escreveu que se gozava em seu sofrimento porque este lhe ajudava a conhecer mais a Cristo e a cumprir a obra de Cristo para a igreja (Phi 3:10; Col 1:24). A igreja primitiva saiu vitoriosa apesar da intensa perseguição. É importante notar que mais tarde, no segundo século, o pai da igreja Tertuliano, escreveu: "O sangue de cristãos é semente", porque a oposição ajudou a difundir o cristianismo. 21.14-19 Jesus advertiu que seus seguidores sofreriam a traição de familiares e amigos. Cristãos de qualquer idade teriam que enfrentar esta possibilidade. É reconfortante, entretanto, saber que embora nos sintamos por completo abandonados, o Espírito Santo está conosco. Confortará-nos, protegerá-nos e nos dará as palavras que necessitemos. Esta segurança nos dará o valor e a esperança para nos manter firmes por Cristo em meio de todas as situações difíceis que tenhamos que suportar. 21.18 Jesus não diz que os crentes não sofrerão ataques nem mesmo a morte durante a perseguição. Recorde que a maioria dos discípulos suportaram o martírio. O que Jesus diz é que nenhum de seus seguidores sofrerá alguma perda espiritual nem eterna. Você pode deixar de existir na terra, mas será salvo para uma vida eterna. 21.24 Os "tempos dos gentis" começou quando Babilônia destruiu a Jerusalém em 586 a.C. e o exílio dos judeus. Israel deixou de ser uma nação independente para estar sob o controle de governantes gentis. Nos dias do Jesus, o Império Romano governava ao Israel e um general romano destruiria a cidade em 70 D.C. Neste versículo Jesus expressa que esta dominação gentil continuaria até que Deus decidisse terminá-la. Os tempos dos gentis não só se refere às freqüentes destruições de Jerusalém, mas também às perseguições contínuas e em ascensão dirigidas ao povo de Deus até o final. 21.28 A descrição das perseguições vindouras e os desastres naturais é sombria, mas ao fim e ao cabo, não são motivos de temor, mas sim de alegria. Quando os crentes vejam estes acontecimentos, saberão que a vinda do Messías está perto e vislumbrarão o reino de justiça e paz. antes de aterrorizar-se pelo que acontece em nosso mundo, deveríamos esperar confidencialmente a vinda de Cristo que trará justiça e restauração a seu povo. 21.34, 36 Jesus disse a seus discípulos que deviam velar até sua volta. Embora hajam acontecido perto de dois mil anos desde que O dissesse estas palavras, sua verdade permanece; O vem outra vez e devemos estar espectadores e preparados. Isto inclui o trabalho fiel nas tarefas que Deus nos encomendou. Não permita que sua mente e espírito se embotem com a vida descuidada, a bebida ou a busca néscia do prazer. Não permita que as ansiedades da vida o sobrecarreguem. Assim estará preparado para ir-se quando Deus lhe mande. 21.36 Só poucos dias depois que dissesse aos discípulos que orassem para que fossem dignos de escapar da perseguição, Jesus mesmo pediu a Deus que se era possível passasse por cima as agonias da cruz (Luk 22:41-42). Não é normal querer sofrer, mas como seguidores de Cristo, estamos dispostos a sofrer se ao fazê-lo contribuímos na edificação do Reino de Deus. Temos duas promessas maravilhosas que podem nos ajudar quando sofremos: Deus sempre estará conosco (Mat 28:20) e um dia nos redimirá e dará vida eterna (Rev 21:1-4).