- Anúncios -
x

Bibliatodo Comentários




Diário Viver
Êxodo 16

1. E, partidos de Elim, toda a congregação dos filhos de Israel veio ao deserto de Sim, que está entre Elim e Sinai, aos quinze dias do mês segundo, depois que saíram da terra do Egito.

2. E toda a congregação dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e contra Arão no deserto.

3. E os filhos de Israel disseram-lhes: Quem dera que nós morrêssemos por mão do SENHOR na terra do Egito, quando estávamos sentados junto às panelas de carne, quando comíamos pão até fartar! Porque nos tendes tirado para este deserto, para matardes de fome a toda esta multidão.

4. Então, disse o SENHOR a Moisés: Eis que vos farei chover pão dos céus, e o povo sairá e colherá cada dia a porção para cada dia, para que eu veja se anda em minha lei ou não.

5. E acontecerá, ao sexto dia, que prepararão o que colherem; e será o dobro do que colhem cada dia.

6. Então, disse Moisés e Arão a todos os filhos de Israel: À tarde sabereis que o SENHOR vos tirou da terra do Egito,

7. e amanhã vereis a glória do SENHOR, porquanto ouviu as vossas murmurações contra o SENHOR; porque quem somos nós para que murmureis contra nós?

8. Disse mais Moisés: Isso será quando o SENHOR, à tarde, vos der carne para comer e, pela manhã, pão a fartar, porquanto o SENHOR ouviu as vossas murmurações, com que murmurais contra ele ( porque quem somos nós? ). As vossas murmurações não são contra nós, mas sim contra o SENHOR.

9. Depois, disse Moisés a Arão: Dize a toda a congregação dos filhos de Israel: Chegai-vos para diante do SENHOR, porque ouviu as vossas murmurações.

10. E aconteceu que, quando falou Arão a toda a congregação dos filhos de Israel, e eles se viraram para o deserto, eis que a glória do SENHOR apareceu na nuvem.

11. E o SENHOR falou a Moisés, dizendo:

12. Tenho ouvido as murmurações dos filhos de Israel; fala-lhes, dizendo: Entre as duas tardes, comereis carne, e, pela manhã, vos fartareis de pão, e sabereis que eu sou o SENHOR, vosso Deus.

13. E aconteceu que, à tarde, subiram codornizes e cobriram o arraial; e, pela manhã, jazia o orvalho ao redor do arraial.

14. E, alçando-se o orvalho caído, eis que sobre a face do deserto estava uma coisa miúda, redonda, miúda como a geada sobre a terra.

15. E, vendo-a os filhos de Israel, disseram uns aos outros: Que é isto? Porque não sabiam o que era. Disse-lhes, pois, Moisés: Este é o pão que o SENHOR vos deu para comer.

16. Esta é a palavra que o SENHOR tem mandado: Colhei dele cada um conforme o que pode comer, um gômer por cabeça, segundo o número das vossas almas; cada um tomará para os que se acharem na sua tenda.

17. E os filhos de Israel fizeram assim; e colheram, uns, mais, e outros, menos.

18. Porém, medindo-o com o gômer, não sobejava ao que colhera muito, nem faltava ao que colhera pouco; cada um colheu tanto quanto podia comer.

19. E disse-lhes Moisés: Ninguém deixe dele para amanhã.

20. Eles, porém, não deram ouvidos a Moisés; antes, alguns deles deixaram dele para o dia seguinte; e aquele criou bichos e cheirava mal; por isso, indignou-se Moisés contra eles.

21. Eles, pois, o colhiam cada manhã; cada um, conforme ao que podia comer; porque, aquecendo o sol, derretia-se.

22. E aconteceu que, ao sexto dia, colheram pão em dobro, dois gômeres para cada um; e todos os príncipes da congregação vieram e contaram-no a Moisés.

23. E ele disse-lhes: Isto é o que o SENHOR tem dito: Amanhã é repouso, o santo sábado do SENHOR; o que quiserdes cozer no forno, cozei-o; e o que quiserdes cozer em água, cozei-o em água; e tudo o que sobejar ponde em guarda para vós até amanhã.

24. E guardaram-no até pela manhã, como Moisés tinha ordenado; e não cheirou mal, nem nele houve algum bicho.

25. Então, disse Moisés: Comei-o hoje, porquanto hoje é o sábado do SENHOR; hoje não o achareis no campo.

26. Seis dias o colhereis, mas o sétimo dia é o sábado; nele não haverá.

27. E aconteceu, ao sétimo dia, que alguns do povo saíram para colher, mas não o acharam.

28. Então, disse o SENHOR a Moisés: Até quando recusareis guardar os meus mandamentos e as minhas leis?

29. Vede, visto que o SENHOR vos deu o sábado, por isso ele, no sexto dia, vos dá pão para dois dias; cada um fique no seu lugar, que ninguém saia do seu lugar no sétimo dia.

30. Assim, repousou o povo no sétimo dia.

31. E chamou a casa de Israel o seu nome Maná; e era como semente de coentro; era branco, e o seu sabor, como bolos de mel.

32. E disse Moisés: Esta é a palavra que o SENHOR tem mandado: Encherás um gômer dele e o guardarás para as vossas gerações, para que vejam o pão que vos tenho dado a comer neste deserto, quando eu vos tirei da terra do Egito.

33. Disse também Moisés a Arão: Toma um vaso, e mete nele um gômer cheio de maná, e põe-no diante do SENHOR, em guarda para as vossas gerações.

34. Como o SENHOR tinha ordenado a Moisés, assim Arão o pôs diante do Testemunho em guarda.

35. E comeram os filhos de Israel maná quarenta anos, até que entraram em terra habitada; comeram maná até que chegaram aos termos da terra de Canaã.

36. E um gômer é a décima parte do efa.

×
Êxodo 16

16.1 O deserto de Sem era um ambiente vasto e hostil de areia e pedra. Sua esterilidade proporcionava um lugar perfeito para que Deus provasse e moldasse o caráter de seu povo. 16.2 Voltou a acontecer outra vez. Quando os israelitas se enfrentaram ao perigo, à escassez e às inconveniências se queixaram amargamente e tiveram saudades sua vida no Egito. Mas como sempre, Deus supriu suas necessidades. As circunstâncias difíceis podem nos causar estresse. Quando isso acontece, nossa resposta natural é a queixa. Os israelitas em realidade não queriam estar outra vez no Egito; só queriam que a vida fora um pouco mais fácil. Com a pressão do momento, não puderam analisar a causa de seu estresse (neste caso, a falta de confiança em Deus). Nem sequer puderam pensar na forma mais rápida de escapar. Quando chegar a pressão a seu encontro, resista a tentação de fazer seu escapamento mais rápido. Em vez disso, concentre-se no poder e na sabedoria de Deus que o ajudará a tratar a causa de seu estresse. 16.4, 5 Deus prometeu que supriria a necessidade de alimento dos hebreus no deserto, entretanto, decidiu provar sua obediência. Deus queria ver se obedeciam suas instruções detalhadas. Só poderemos aprender a confiar no como Senhor, seguindo-o. Só poderemos aprender a obedecer, dando pequenos passos de obediência. 16.14, 16 O maná (16.31) aparecia no chão cada dia em forma de um floco fino, similar à geada. O povo o compilava, moía-o como grão e fazia omeletes com sabor a mel. Para os israelitas o maná foi um presente; chegava todo os dias e era justo o que necessitavam. Satisfazia suas necessidades físicas temporárias. Em Joh 6:48-51 Jesus se compara a si mesmo com o maná. Cristo é nosso pão de cada dia, que satisfaz nossa necessidade eterna e espiritual. 16.23 Os israelitas não deviam trabalhar no dia de repouso, nem sequer cozinhar. por que? Deus sabia que a rotina diária poderia distrair ao povo para não adorá-lo. É muito fácil deixar que o trabalho, as responsabilidades familiares e a recreação saturem nossos programas ao grau que não tomemos o tempo para adorar. Com exceção de seu tempo para estar com Deus. 16.32 Os hebreus puseram um pouco de maná em uma vasilha especial como lembrança da forma em que Deus lhes proveu no deserto. Os símbolos foram sempre uma parte importante, até no louvor dos cristãos. Utilizamos objetos especiais como símbolos que nos recordam a obra de Deus em nossas vidas. Tais símbolos podem ser uma ajuda valiosa para nossa adoração enquanto cuidemos que não se convertam em objetos de adoração. 16.36 "Um gomer é a décima parte de uma f", isto é mais ou menos 3.7 litros.