x

Bibliatodo Comentários

Anúncios


Diário Viver

Atos 1

1. ¶ Escrevi o primeiro livro, ó Teófilo, relatando todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar

2. até ao dia em que, depois de haver dado mandamentos por intermédio do Espírito Santo aos apóstolos que escolhera, foi elevado às alturas.

3. A estes também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas provas incontestáveis, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando das coisas concernentes ao reino de Deus.

4. E, comendo com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, a qual, disse ele, de mim ouvistes.

5. Porque João, na verdade, batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.

6. ¶ Então, os que estavam reunidos lhe perguntaram: Senhor, será este o tempo em que restaures o reino a Israel?

7. Respondeu-lhes: Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade;

8. mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.

9. Ditas estas palavras, foi Jesus elevado às alturas, à vista deles, e uma nuvem o encobriu dos seus olhos.

10. E, estando eles com os olhos fitos no céu, enquanto Jesus subia, eis que dois varões vestidos de branco se puseram ao lado deles

11. e lhes disseram: Varões galileus, por que estais olhando para as alturas? Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do modo como o vistes subir.

12. ¶ Então, voltaram para Jerusalém, do monte chamado Olival, que dista daquela cidade tanto como a jornada de um sábado.

13. Quando ali entraram, subiram para o cenáculo onde se reuniam Pedro, João, Tiago, André, Filipe, Tomé, Bartolomeu, Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o Zelote, e Judas, filho de Tiago.

14. Todos estes perseveravam unânimes em oração, com as mulheres, com Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos dele.

15. ¶ Naqueles dias, levantou-se Pedro no meio dos irmãos (ora, compunha-se a assembléia de umas cento e vinte pessoas) e disse:

16. Irmãos, convinha que se cumprisse a Escritura que o Espírito Santo proferiu anteriormente por boca de Davi, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam Jesus,

17. porque ele era contado entre nós e teve parte neste ministério.

18. (Ora, este homem adquiriu um campo com o preço da iniqüidade; e, precipitando-se, rompeu-se pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram;

19. e isto chegou ao conhecimento de todos os habitantes de Jerusalém, de maneira que em sua própria língua esse campo era chamado Aceldama, isto é, Campo de Sangue.)

20. Porque está escrito no Livro dos Salmos: Fique deserta a sua morada; e não haja quem nela habite; e: Tome outro o seu encargo.

21. É necessário, pois, que, dos homens que nos acompanharam todo o tempo que o Senhor Jesus andou entre nós,

22. começando no batismo de João, até ao dia em que dentre nós foi levado às alturas, um destes se torne testemunha conosco da sua ressurreição.

23. Então, propuseram dois: José, chamado Barsabás, cognominado Justo, e Matias.

24. E, orando, disseram: Tu, Senhor, que conheces o coração de todos, revela-nos qual destes dois tens escolhido

25. para preencher a vaga neste ministério e apostolado, do qual Judas se transviou, indo para o seu próprio lugar.

26. E os lançaram em sortes, vindo a sorte recair sobre Matias, sendo-lhe, então, votado lugar com os onze apóstolos.

×

Atos 1

1.1 O livro de Feitos continua a história que Lucas começou em seu Evangelho; abrangendo os trinta anos posteriores à ascensão do Jesus. Neste curto período, a igreja se estabeleceu e o evangelho de salvação se levou pelo mundo, inclusive à capital do Império Romano. Os pregadores, gente comum com debilidades e limitações, foram revestidos de poder pelo Espírito Santo para difundir as boas notícias ao "mundo inteiro" (17.6). Por Feitos aprendemos sobre a natureza da Igreja e também a como reverter o mundo. 1.1 O primeiro livro do Lucas foi seu Evangelho. Dedicou-o também ao Teófilo, nome que significa "um que ama a Deus". (Veja-se nota a Luk 1:3.) 1.1ss Os versículos 1 aos 11 Smão o elo entre os fatos narrados nos Evangelhos e os que marcam o começo da igreja primitiva. Jesus passou quarenta dias ensinando a seus discípulos, os que experimentaram uma mudança total. antes disto discutiram uns com outros, abandonaram a seu Senhor e um deles (Pedro) inclusive negou que lhe conhecia. depois de uma série de reuniões com o Cristo ressuscitado, os discípulos acharam a resposta a muitas de suas perguntas; chegaram a convencer-se em relação com a ressurreição, aprenderam do Reino de Deus e a fonte de seu poder: o Espírito Santo. Através da leitura da Bíblia podemos nos sentar junto ao Cristo ressuscitado em sua escola de discipulado. Acreditando no recebemos o poder do Espírito Santo e nos convertemos em pessoas renovadas. Ao nos reunir com outros cristãos em sua Igreja podemos tomar parte em sua obra aqui na terra. 1.1-3 Lucas diz que os discípulos foram testemunhas presenciais de todo o acontecido ao Jesucristo, sua vida antes da crucificação e os quarenta dias posteriores onde lhes ensinou mais sobre o Reino de Deus. Ainda na atualidade há pessoas que duvidam da ressurreição do Jesus. Mas O se apareceu a seus discípulos em muitas ocasiões logo depois de sua ressurreição, provando que estava vivo. Note a mudança que a ressurreição fez na vida dos discípulos. Durante o momento de sua morte estavam temerosos, desiludidos e inclusive temiam por suas vidas. Logo depois da ressurreição deixaram de temer e arriscaram tudo por pulverizar ao redor do mundo as boas notícias a respeito Do. Enfrentaram prisões, castigo físico, rechaço e martírio, mas nunca comprometeram sua missão. Estes homens não tivessem arriscado sua vida por algo que fora uma fraude. Sabiam que Jesus ressuscitou da morte e a igreja primitiva se acendeu com seu entusiasmo para proclamar a notícia a outros. É importante saber que podemos confiar em seu testemunho. Vinte séculos depois, ainda podemos ter a certeza de que nossa fé se apóia em feitos. 1.3 Jesus explicou que com sua vinda se inaugurou o Reino de Deus. Ao subir aos céus, o Reino de Deus permaneceria nos corações de todos os crentes mediante a presença do Espírito Santo. Mas o Reino de Deus não se desenvolverá por completo até que Jesus venha de novo a julgar a todas as pessoas e a tirar todo o mau do mundo. antes de que isto aconteça, os crentes devem ocupar-se em proclamar o Reino de Deus ao redor do mundo. O livro de Feitos narra como começou isto. Nós devemos continuar o trabalho que a igreja primitiva começou. 1.4 A Trindade é uma descrição da relação única do Pai, o Filho e o Espírito Santo. Se Jesus tivesse permanecido na terra, sua presença física teria limitado a difusão do evangelho, já que fisicamente solo poderia estar em um só lugar ao mesmo tempo. depois de sua ascensão poderia estar presente espiritualmente em todo lugar através do Espírito Santo. O Espírito Santo se enviou de maneira que Deus estivesse com seus seguidores e neles depois que Jesus subiu ao céu. Seu Espírito os reconfortaria e guiaria à verdade, permanecendo neles as palavras do Jesus, lhes dando as palavras oportunas e enchendo-os podendo (veja-se João 14-16). 1.5 No Pentecostés (2.1-4) o Espírito Santo esteve à disposição de todos os que acreditassem no Jesus. Nós recebemos o Espírito Santo quando recebemos ao Jesucristo. O batismo do Espírito Santo deve entender-se à luz de sua obra total nos cristãos. (1) O Espírito Santo marca o começo da experiência cristã. Não podemos pertencer a Cristo sem seu Espírito (Rom 8:9); não podemos estar unidos a Cristo sem seu Espírito (1Co 6:17); não podemos ser adotados como seus filhos sem seu Espírito (Rom 8:14-17; Gal 4:6-7); não podemos estar no corpo de Cristo exceto pelo Espírito (1Co 12:13). (2) O Espírito é o poder de nossa nova vida. Começa o comprido processo de uma vida de mudanças para nos assemelhar mais a Cristo (Gal 3:3; Phi 1:6). Quando recebemos a Cristo pela fé, começamos uma relação pessoal e imediata com Deus. O Espírito Santo obra em nós para nos ajudar a ser como Cristo. (3) O Espírito une comunidades cristãs em Cristo (Eph 2:19-22). Todos podem experimentar o Espírito Santo e O obrar através de todos (1Co 12:11; Eph 4:4). 1.6 Durante os anos de ministério do Jesus sobre a terra, os discípulos se perguntavam continuamente sobre seu Reino. Quando virá? Qual seria seu papel? Do ponto de vista tradicional, o Messías seria um conquistador terrestre, que liberaria ao Israel de Roma. Mas o reino ao que se referia Jesus era um espiritual, estabelecido nos corações e vidas dos crentes (Luk 17:21). A presença e o poder de Deus permanecem nos crentes na pessoa do Espírito Santo. 1.6, 7 Como outros judeus, os discípulos viviam desgostados ao ver-se submetidos ao Império Romano. Queriam que Jesus liberasse o Israel do poder romano e que logo chegasse a ser Rei. Jesus explicou que Deus o Pai estabelece o tempo em que devem ocorrer os fatos a nível pessoal, nacional ou mundial. Se você quiser mudanças e vê que Deus não os faz imediatamente, não se impaciente. Confie no tempo de Deus. 1.8 O poder do Espírito Santo não o limita a energia ordinária, envolve valor, entrega, confiança, conhecimento, habilidade e autoridade. Os discípulos necessitariam de tudo isto para cumprir com sua missão. Se você acreditar no Jesucristo, pode experimentar o poder do Espírito Santo em sua vida. 1.8 Jesucristo prometeu aos apóstolos que receberiam o poder para ser testemunhas depois que recebessem o Espírito Santo. Note o processo: (1) receberam o Espírito Santo; (2) deu-lhes poder; e (3) foram testemunhas com resultados extraordinários. Nós freqüentemente tratamos de investir a ordem e atestamos dependendo de nosso próprio poder e autoridade. Atestar não é mostrar o que podemos fazer Por Deus, a não ser mostrar e dizer o que Deus tem feito por nós. 1.8 Jesus instruiu a seus discípulos para que fossem testemunhas às pessoas de todas as nações a respeito Do (Mat 28:19-20). Mas lhes disse que deviam esperar antes a vinda do Espírito Santo (Luk 24:49). Deus tem um trabalho importante que quer que você faça em seu nome, mas deve desenvolvê-la pelo poder do Espírito Santo. Freqüentemente nós gostamos de cumprir com a tarefa, embora isto signifique ir diante de Deus. Mas algumas vezes a espera é parte do plano de Deus. Está esperando e escutando as instruções completas de Deus ou se antepor a seus planos? Necessitamos o tempo e o poder de Deus para ser na verdade eficazes. 1.8 Este versículo descreve uma série de círculos concêntricos. O evangelho se pulveriza, geograficamente, de Jerusalém até a Judea e Samaria, e por último se ofereceria aos gentis em outras partes da terra. O evangelho de Deus não chegou a seu destino final se alguém em sua família, em seu centro de trabalho, seu colégio ou sua comunidade não ouviu a respeito do Jesucristo. Assegure-se de contribuir, de algum jeito, ao círculo de pulverização da mensagem de amor de Deus. 1.9 Foi importante para os discípulos ver subir ao Jesus. Logo não teriam nenhuma dúvida de que O era Deus e que sua morada está no céu. 1.9-11 Logo depois de sua ressurreição, depois de estar quarenta dias com seus discípulos (1.3), Jesus subiu ao céu. Dois anjos anunciaram aos discípulos que um dia Jesus voltaria da mesma forma em que se foi: corporal e visivelmente. A história não é casual nem cíclica, está em movimento para um ponto específico: a vinda do Jesus para julgar e exercer autoridade sobre a terra. Nós devemos estar preparados para esta vinda sorpresiva (1Th 5:2), não parados "contemplando os céus", a não ser trabalhando com ardor em difundir o evangelho de maneira que outros sejam capazes de receber as grandes bênções de Deus. 1.12, 13 depois da ascensão de Cristo ao céu, os apóstolos retornaram imediatamente a Jerusalém e se reuniram para orar. Jesus lhes disse que o Espírito Santo viria sobre eles dentro de não muitos dias, de maneira que tinham que esperar em oração. Quando você em frente uma tarefa difícil, uma decisão importante, um dilema confuso, seu primeiro passo deve ser orar pelo poder e a direção do Espírito Santo. Não se apresse no trabalho nem espere que saia como débito. De todos os modos, seu primeiro passo deve ser orar a fim de que o poder do Espírito Santo lhe guie. 1.13 Um "zelote" possivelmente signifique qualquer ciumento da Lei judia. Talvez os zelotes eram os de um partido político radical que trabalhou para derrocar ao governador romano do Israel através da violência. 1.14 Os irmãos do Jesus estão agora com os discípulos. Durante a vida do Jesus, não acreditaram que O era o Messías (Joh 7:5), mas sua ressurreição deveu convencê-los. A aparição especial ao Jacóo, um de seus irmãos, deveu ter tido um significado especial que influiu em sua conversão (veja-se 1Co 15:7). 1.15-26 Esta foi a primeira reunião de negócios da igreja. O pequeno grupo de onze cresceu até converter-se em mais de cento e vinte. O tema principal foi nomear a um novo discípulo ou apóstolo, como chamaram os doze. Enquanto os apóstolos esperavam, faziam o que podiam: oravam, procuravam a direção de Deus e se organizavam. Esperar a Deus para trabalhar não significa sentar-se sem fazer nada. Devemos fazer o que pudermos, enquanto possamos, tomando cuidado de não nos adiantar a Deus. 1.16, 17 Como pôde alguém estar diariamente com o Jesus e trai-lo? Judas recebeu o mesmos chamado e ensinos como todos outros. Mas decidiu rechaçar as advertências de Cristo assim como também seus oferecimentos de misericórdia. Endureceu seu coração e se uniu aos inimigos do Jesus em um complô para trai-lo. Até o final não se arrependeu e, por último, se suicidó. Apesar de que Jesus predisse que isto aconteceria, essa foi a decisão do Judas. Quão privilegiados estão perto da verdade, não estão necessariamente comprometidos a ela. se desejar mais informação a respeito do Judas, veja-se seu perfil no Marcos 14. 1.18 Mateus diz que se enforcou (Mat 27:5), Feitos diz que caiu. A explicação tradicional é que quando Judas se enforcou o ramo se rompeu, Judas se precipitou em terra e seu corpo se arrebentou. 1.21, 22 Foram muitos os que seguiram ao Jesus em forma constante durante seu ministério na terra. Os doze apóstolos formaram parte de seu círculo íntimo, mas outros tiveram igual nível de amor e entrega. 1.21-25 Os apóstolos tiveram que procurar um crente que ocupasse o posto vacante do Judas Iscariote. Esboçaram um critério específico para fazer a eleição. Quando se escolheram os "finalistas", os apóstolos oraram pedindo a Deus que os guiasse neste processo de seleção. Isto nos dá um bom exemplo de como atuar quando devemos tomar decisões importantes. Determine um critério lógico apoiado na Bíblia, examine as alternativas e ore pedindo sabedoria e guia em busca de uma decisão sábia. 1.26 Os discípulos chegaram a ser apóstolos. Discípulo significa seguidor ou aprendiz, e apóstolo significa mensageiro ou enviado. Estes homens têm agora uma designação especial para pulverizar as boas novas da morte e ressurreição do Jesus. UMA VIAGEM Ao TRAVES DO LIVRO DE FEITOS Começando com um breve resumo dos últimos dias do Jesus na terra com seus discípulos, sua ascensão e Matías, que ocupou o lugar que deixou Judas Iscariote, Lucas aborda em seguida seu tema: a difusão do evangelho e o crescimento da igreja. O Pentecostés, célebre pelo derramamento do Espírito Santo (2.1-13) e o discurso poderoso do Pedro (2.14-42), foi o início. Logo a igreja de Jerusalém começou a crescer cada dia mediante o testemunho audaz do Pedro e João e o amor dos crentes (2.43-4.37). A igreja nascente não estava isenta de problemas, sofreu oposição externa (resultando na prisão, castigo e morte), engano e queixa internas. Aos crentes judeus de fala grega os escolheram para ajudar na administração da igreja a fim de liberar os apóstolos para a predicación. Os primeiros diáconos escolhidos foram Esteban e Felipe, deles Esteban foi o primeiro mártir da Igreja (5.1-8.3). Em lugar de frear ao cristianismo, a oposição e a perseguição serviram como catalisadores para sua difusão. Os crentes levaram a mensagem por onde fugiam (8.4). Muito em breve teve convertidos em toda Samaria e inclusive em Etiópia (8.5-40). Neste momento, Lucas apresenta a um jovem judeu, ciumento defensor da Lei, que tenta liberar o judaísmo da heresia do Jesus. Mas no caminho a Damasco, ao tratar de capturar aos crentes, Saulo se converte, confrontado pessoalmente pelo Cristo ressuscitado (9.1-9). Mediante o ministério do Ananías e a recomendação do Bernabé, Saulo (Paulo) foi bem recebido no companheirismo e enviado ao Tarso para sua segurança (9.10-30). Enquanto isso, a igreja continuava prosperando em toda Judea, Galilea e Samaria. Lucas se refere a seu predicación e a como sanou a Ns na Lida e ao Dorcas no Jope (9.31-43). Enquanto esteve no Jope, Pedro entendeu através de uma visão que ele podia levar o evangelho aos "imundos" gentis. Pedro assim o entendeu e fielmente pregou ao Cornelio que se converteu, junto a sua família, em crente (capítulo 10). Esta foi uma notícia estremecedora para a igreja em Jerusalém, mas quando Pedro narrou os fatos, elogiaram a Deus por seu plano de que todas as pessoas escutassem as boas novas (11.1-18). Isto impulsionou à igreja a um círculo maior, a mensagem se pregou aos gregos na Antioquía, onde Bernabé foi animar aos crentes e achou ao Paulo (11.20-26). Para agradar aos líderes judeus, Herodes se uniu na perseguição da igreja em Jerusalém, deu morte ao Jacóo (irmão do João) e pôs na prisão ao Pedro. Entretanto, Deus liberou o Pedro que caminhou desde sua prisão até uma reunião de oração na casa do João Marcos onde se intercedia por ele (capítulo 12). Aqui Lucas translada seu enfoque ao ministério do Paulo. Enviado pela igreja da Antioquía para uma viagem missionária (13.1-3), Paulo e Bernabé levaram o evangelho ao Chipre e ao sul da Galacia com grande êxito (13.4-14.28). devido a que a controvérsia judeu-gentil ainda ardia com lentidão e com não poucos gentis respondendo a Cristo, ameaçou dividindo a igreja. De maneira que se convocou um concílio em Jerusalém para estabelecer normas com relação aos cristãos gentis à luz do Antigo Testamento e suas leis. Logo depois de ouvir ambas as partes, Jacóo (irmão do Jesus e líder da igreja em Jerusalém) resolveu o problema e enviou mensageiros às Iglesias para informar a decisão (15.1-31). Depois do concílio, Paulo e Silas pregaram na Antioquía. Logo saíram com rumo a Síria e Cilícia, enquanto que Bernabé e Marcos navegaram para o Chipre (15.36-41). Nesta segunda viagem missionária, Paulo e Silas passaram pela Macedônia e Acaya, estabelecendo Iglesias no Filipos, Tesalónica, Berea, Corinto e Efeso, antes de retornar a Antioquía (16.1-18.21). Lucas também se refere ao ministério do Apolos (18.24-28). Na terceira viagem missionário Paulo e seus companheiros atracaram a Galacia, Frigia, Macedônia e Acaya, animando e ensinando a Enquanto esteve em Jerusalém, uma turfa furiosa acossou ao Paulo no templo e o puseram sob custódia e amparo do tribuno romano (21.17-22.29). Agora vemos o Paulo como prisioneiro e em processo ante o concílio judeu (23.1-9), o governador Félix (23.23-24.27), Festo e Agripa (25.1-26.32). Em cada caso, Paulo atesta com firmeza e claridade de sua fé no Senhor. devido a que apelou ao César, enviaram-no a Roma para o processo final de seu caso. Mas no caminho, uma tormenta destruiu a nave e os tripulantes e prisioneiros deveram nadar para chegar à borda. Até nestas circunstâncias, Paulo pregou de sua fé (27.1-28.11). Ao final, a viagem continuou e Paulo chegou a Roma onde viveu em uma casa alugada e sob custódia, enquanto aguardava o julgamento (28.11-31). Lucas finaliza Feitos em forma abrupta, com as estimulantes palavras de que Paulo tinha a liberdade em seu cativeiro de falar tanto com visitantes como a seu guarda "pregando o reino de Deus e ensinando sobre o Senhor Jesus Cristo, abertamente e sem impedimento" (28.31).






Anúncios