- Anúncios -
x

Bibliatodo Comentários


Notas RV 1995 - Comentário da Versão Reina Valera
Lamentações 1

1. Como está sentada solitária aquela cidade, antes tão populosa! Tornou-se como viúva, a que era grande entre as nações! A que era princesa entre as províncias, tornou-se tributária!

2. Chora amargamente de noite, e as suas lágrimas lhe correm pelas faces; não tem quem a console entre todos os seus amantes; todos os seus amigos se houveram aleivosamente com ela, tornaram-se seus inimigos.

3. Judá passou em cativeiro por causa da aflição, e por causa da grande servidão; ela habita entre os gentios, não acha descanso; todos os seus perseguidores a alcançam entre as suas dificuldades.

4. Os caminhos de Sião pranteiam, porque não há quem venha à festa solene; todas as suas portas estão desoladas; os seus sacerdotes suspiram; as suas virgens estão tristes, e ela mesma tem amargura.

5. Os seus adversários têm sido feitos chefes, os seus inimigos prosperam; porque o SENHOR a afligiu, por causa da multidão das suas transgressões; os seus filhinhos foram para o cativeiro na frente do adversário.

6. E da filha de Sião já se foi toda a sua formosura; os seus príncipes ficaram sendo como corços que não acham pasto e caminham sem força adiante do perseguidor.

7. Lembra-se Jerusalém, nos dias da sua aflição e dos seus exílios, de todas as suas mais queridas coisas, que tivera desde os tempos antigos; quando caía o seu povo na mão do adversário, e não havia quem a socorresse; os adversários a viram, e fizeram escárnio da sua ruína.

8. Jerusalém gravemente pecou, por isso se fez errante; todos os que a honravam, a desprezaram, porque viram a sua nudez; ela também suspira e volta para trás.

9. A sua imundícia está nas suas saias; nunca se lembrou do seu fim; por isso foi pasmosamente abatida, não tem consolador; vê, SENHOR, a minha aflição, porque o inimigo se tem engrandecido.

10. Estendeu o adversário a sua mão a todas as coisas mais preciosas dela; pois ela viu entrar no seu santuário os gentios, acerca dos quais mandaste que não entrassem na tua congregação.

11. Todo o seu povo anda suspirando, buscando o pão; deram as suas coisas mais preciosas a troco de mantimento para restaurarem a alma; vê, SENHOR, e contempla, que sou desprezível.

12. Não vos comove isto a todos vós que passais pelo caminho? Atendei, e vede, se há dor como a minha dor, que veio sobre mim, com que o SENHOR me afligiu, no dia do furor da sua ira.

13. Desde o alto enviou fogo a meus ossos, o qual se assenhoreou deles; estendeu uma rede aos meus pés, fez-me voltar para trás, fez-me assolada e enferma todo o dia.

14. O jugo das minhas transgressões está atado pela sua mão; elas estão entretecidas, subiram sobre o meu pescoço, e ele abateu a minha força; entregou-me o Senhor nas mãos daqueles a quem não posso resistir.

15. O Senhor atropelou todos os meus poderosos no meio de mim; convocou contra mim uma assembléia, para esmagar os meus jovens; o Senhor pisou como num lagar a virgem filha de Judá.

16. Por estas coisas eu ando chorando; os meus olhos, os meus olhos se desfazem em águas; porque se afastou de mim o consolador que devia restaurar a minha alma; os meus filhos estão assolados, porque prevaleceu o inimigo.

17. Estende Sião as suas mãos, não há quem a console; mandou o SENHOR acerca de Jacó que lhe fossem inimigos os que estão em redor dele; Jerusalém é entre eles como uma mulher imunda.

18. Justo é o SENHOR, pois me rebelei contra o seu mandamento; ouvi, pois, todos os povos, e vede a minha dor; as minhas virgens e os meus jovens foram levados para o cativeiro.

19. Chamei os meus amantes, mas eles me enganaram; os meus sacerdotes e os meus anciãos expiraram na cidade; enquanto buscavam para si mantimento, para restaurarem a sua alma.

20. Olha, SENHOR, porque estou angustiada; turbadas estão as minhas entranhas; o meu coração está transtornado dentro de mim, porque gravemente me rebelei; fora me desfilhou a espada, em casa está a morte.

21. Ouviram que eu suspiro, mas não tenho quem me console; todos os meus inimigos que souberam do meu mal folgam, porque tu o fizeste; mas, em trazendo tu o dia que apregoaste, serão como eu.

22. Venha toda a sua maldade diante de ti, e faze-lhes como me fizeste a mim por causa de todas as minhas transgressões; porque os meus suspiros são muitos, e o meu coração está desfalecido.

×
Lamentações 1

Notas do Capítulo: [1] 1.1-22 Este poema se divide em duas partes que têm a mesma extensão: a primeira (v.1-11) descreve poeticamente a ruína de Jerusalém, estabelecendo uma impressionante contraposição entre sua glória passada e sua desgraça presente; na segunda (V. 12-22), a cidade, personificada, lamenta-se amargamente de sua solidão e desamparo, implorando a compaixão dos homens (cf. V. 12) e a misericórdia de Deus (cf. V. 20). [2] 1.1 Nas culturas do antigo Oriente, a situação da mulher viúva era em extremo precária. Por carecer do amparo de seu marido, ficava exposta à miséria e à exploração (cf. Rt 1.3-5; Is 54.4). A comparação de Jerusalém com uma viúva sugere a idéia de total desolação. [3] 1.1 A grande... A senhora de províncias: Estes qualificativos e outros semelhantes põem de relevo a magnitude da catástrofe: a que agora está em ruínas não é uma cidade qualquer, a não ser Jerusalém, a cidade de Deus, o santuário das moradas do Muito alto (Sl 46.4) e a cidade do grande rei Davi (Sl 48.2). Veja-se Sl 48 N. [4] 1.2 Amantes: Veja-se Jr 2.20 nota r ; cf. Jr 3.1; Os 2.2,7. [5] 1.2 Não há nenhum que a console: Lm 1.9,16-17,21. O verbo hebreu traduzido por consolar não se refere aqui a um consolo dado sozinho de palavra (cf. Gn 37.35), mas sim inclui a ação e a ajuda eficaz. Quando o Senhor consola a seu povo, atua em favor dele para reconfortá-lo, encher o de alegria e lhe dar a salvação (Sl 71.20-21; Is 40.1-2; 57.18; Jr 31.13). Veja-se também Jo 14.16-17 nota M. Cf. Sl 69.20; Jr 9.17-19; 13.17. [6] 1.2 Cf. Jr 30.13-14. [7] 1.3 foi em cativeiro: Cf. 2 Rs 24.18-21. [8] 1.4 Sión: Veja-se Sl 2.6 N. [9] 1.4 Cf. Is 3.26; Jr 14.2. [10] 1.8 Cf. Ez 16.35-37. [11] 1.10 Cf. 2 Rs 24.13; 25.13-17. [12] 1.14 O atou... sobre meu pescoço: tradução provável. [13] 1.15 Cf. Is 63.3; Jl 3.13; Ap 14.20; 19.15. [14] 1.20 Cf. Jr 4.19; 9.21.