x

Bibliatodo Comentários

Anúncios


Notas RV 1995 - Comentário da Versão Reina Valera
Gênesis 1

1. No princípio criou Deus os céus e a terra.

2. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.

3. E disse Deus: Haja luz; e houve luz.

4. E viu Deus que era boa a luz; e fez Deus separação entre a luz e as trevas.

5. E Deus chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro.

6. E disse Deus: Haja uma expansão no meio das águas, e haja separação entre águas e águas.

7. E fez Deus a expansão, e fez separação entre as águas que estavam debaixo da expansão e as águas que estavam sobre a expansão; e assim foi.

8. E chamou Deus à expansão Céus, e foi a tarde e a manhã, o dia segundo.

9. E disse Deus: Ajuntem-se as águas debaixo dos céus num lugar; e apareça a porção seca; e assim foi.

10. E chamou Deus à porção seca Terra; e ao ajuntamento das águas chamou Mares; e viu Deus que era bom.

11. E disse Deus: Produza a terra erva verde, erva que dê semente, árvore frutífera que dê fruto segundo a sua espécie, cuja semente está nela sobre a terra; e assim foi.

12. E a terra produziu erva, erva dando semente conforme a sua espécie, e a árvore frutífera, cuja semente está nela conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom.

13. E foi a tarde e a manhã, o dia terceiro.

14. E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais e para tempos determinados e para dias e anos.

15. E sejam para luminares na expansão dos céus, para iluminar a terra; e assim foi.

16. E fez Deus os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; e fez as estrelas.

17. E Deus os pós na expansão dos céus para iluminar a terra,

18. E para governar o dia e a noite, e para fazer separação entre a luz e as trevas; e viu Deus que era bom.

19. E foi a tarde e a manhã, o dia quarto.

20. E disse Deus: Produzam as águas abundantemente répteis de alma vivente; e voem as aves sobre a face da expansão dos céus.

21. E Deus criou as grandes baleias, e todo o réptil de alma vivente que as águas abundantemente produziram conforme as suas espécies; e toda a ave de asas conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom.

22. E Deus os abençoou, dizendo: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei as águas nos mares; e as aves se multipliquem na terra.

23. E foi a tarde e a manhã, o dia quinto.

24. E disse Deus: Produza a terra alma vivente conforme a sua espécie; gado, e répteis e feras da terra conforme a sua espécie; e assim foi.

25. E fez Deus as feras da terra conforme a sua espécie, e o gado conforme a sua espécie, e todo o réptil da terra conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom.

26. E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo o réptil que se move sobre a terra.

27. E criou Deus o homem à sua imagem: à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.

28. E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra.

29. E disse Deus: Eis que vos tenho dado toda a erva que dê semente, que está sobre a face de toda a terra; e toda a árvore, em que há fruto que dê semente, ser-vos-á para mantimento.

30. E a todo o animal da terra, e a toda a ave dos céus, e a todo o réptil da terra, em que há alma vivente, toda a erva verde será para mantimento; e assim foi.

31. E viu Deus tudo quanto tinha feito, e eis que era muito bom; e foi a tarde e a manhã, o dia sexto.

×
Gênesis 1

Notas do Capítulo: [1] 1.1 Criou : Hebreus bará. No AT, este verbo tem por sujeito unicamente a Deus e se refere sempre a uma ação divina que produz um resultado novo e imprevisível (Is 48.6-7; Jr 31.22). Emprega-se para designar a criação do mundo e da humanidade (Gn 1.27; 5.1; Dt 4.32; Is 45.12), a formação do povo do Israel (Is 43.1,15), a restauração de Jerusalém (Is 65.18), a renovação interior do pecador arrependido e perdoado (Sl 51.10) e a criação, ao final dos tempos, de um céu novo e uma terra nova (Is 65.17; 66.22). [2] 1.1 Os antigos Hebreus não possuíam um término equivalente ao gr. cosmos. O universo em sua totalidade era designado com a expressão o céu e a terra (cf. Gn 14.22; Sl 124.8; MT 28.18). No uso desta expressão se reflete o costume semítico de abranger uma totalidade mencionando dois elementos extremos ou opostos (cf. Gn 2.9). [3] 1.2 As trevas... sobre a face do abismo : Outra possível tradução: Tudo era um mar profundo talher de escuridão. Segundo uma idéia muito difundida entre os povos do antigo Oriente, antes da criação só havia um caos de trevas que o cobriam tudo como águas ameaçadoras (cf. Sl 104.6-9). portanto, uma das primeiras ações do Criador consistiu em separar as águas de acima e as de abaixo, pondo como linha divisória a expansão ou abóbada celeste (V. 7). De acordo com os V. 5-9, deste caos primitivo se formaram os mares, tanto os que estão sobre a superfície da terra como os que estão debaixo dela. Veja-se Sl 18.15 N.; Cf. também Sl 24.2. [4] 1.2 A palavra hebréia traduzida por espírito pode significar também vento , sopro ou fôlego. Além disso, a expressão de Deus se utiliza às vezes no AT como complemento para expressar o superlativo (cf. Gn 10.9, onde grande caçador é lit. caçador de Deus ). Por isso, alguns intérpretes consideram que a parte final deste versículo significa um forte vento ia e vinha sobre as águas. Veja-se Gn 13.10 nota B. [5] 1.3 Disse Deus : Esta frase, corroborada pela frase complementar E foi assim (cf. V. 7,9,11, etc.), põe de relevo o poder criador da palavra de Deus. A ordem divina se cumpre em forma imediata, e o efeito produzido coincide com o pensamento e a vontade do Criador (cf. Sl 33.6-9; 148.5; Is 48.13; 55.10-11; Hb 11.3). [6] 1.1-3 Jo 1.1-4. [7] 1.3 2 CO 4.6. [8] 1.4 Este relato da criação insiste em afirmar que a obra realizada Por Deus é boa (V. 4,10,12,18,21,25,31). O adjetivo bom no AT tem vários significados, que compreendem do moralmente correto até o belo, agradável e útil. Nesta passagem se afirma que tudo o que existe é bom , porque procede de Deus e corresponde a seu propósito. Esta idéia está em aberto contraste com os mitos pagãos que falam de um mundo criado por deuses caprichosos, ou de um universo que existe sem propósito algum ou tem inclusive um caráter maligno. [9] 1.5 E foi a tarde e a manhã : lit. e anoiteceu e amanheceu ; quer dizer, completou-se um dia. Veja-se. Sl 55.17 N.; 104.19 N. [10] 1.5 Dia : O relato bíblico distribui as ações criadoras de Deus no marco de uma semana, com seis dias de trabalho e um de descanso. Nesses seis dias estão repartidas oito obras: As quatro primeiras consistem em separar e delimitar as zonas ou regiões que configuram o mundo visível; as quatro restantes estão destinadas a povoar essas regiões com seres dotados de movimento. Veja-se tabela A Creacíon. [11] 1.6-8 A palavra hebréia traduzida por firmamento designa um pouco expandido ou estirado, como uma lâmina de metal batido a golpes de martelo. Esta idéia estaria relacionada com uma das visões que antigamente se tinha do mundo segundo a qual o universo era uma estrutura composta de três níveis: o céu, a terra e o mundo subterrâneo (cf. Ex 20.4). [12] 1.9 Cf. Jó 38.8-11; Sl 104.6-9; PV 8.27-30; Jr 5.22. As águas... debaixo dos céus : Vejam-se Gn 1.2 nota c ; 1.6-8 N. [13] 1.11 Produza a terra : Deus concedeu a alguns seres o dom da fecundidade, para que eles continuem e completem a obra do Criador. Para os antigos orientais a fecundidade era objeto de culto, porque a consideravam como uma força divina que residia em alguns seres (P. E., na terra). No AT, em troca, a fecundidade é uma bênção outorgada Por Deus. Veja-se Gn 1.28 nota ou. [14] 1.14-18 Os astros, que nas religiões do antigo Oriente eram adorados como deuses, aqui são apresentados como seres criados Por Deus e não como forças misteriosas que regem o destino das pessoas ou como objetos de culto (cf. Dt 4.19). Cf. também Sl 8.3; Jr 31.35. [15] 1.14 Sinais para as estações : lit. os tempos assinalados , quer dizer, as estações do ano e as festas religiosas correspondentes. Cf. Sl 81.3. [16] 1.21 Os monstros marinhos são mencionados para indicar que também eles foram criados Por Deus e estão sob seu domínio. Aqui radica uma das principais diferencia entre este relato e o mais famoso dos mitos babilônicos da criação, segundo o qual a criação do mundo esteve precedida pelo nascimento de várias gerações de deuses e pela vitória do deus Marduc sobre o monstro marinho que era a personificação do caos originário. Pelo contrário, Gênese fala de um único Deus, que existe sempre e que por si mesmo cria o universo com o poder de sua palavra. Como tudo o que existe foi criado Por Deus, já não fica lugar para adorar aos fenômenos da natureza ou a qualquer outro ser animado ou inanimado. [17] 1.26 A nossa imagem : Este plural, pronunciado pelo único Deus, foi interpretado de diversas maneiras. Em realidade, parece sugerir a idéia de uma especial deliberação do Criador no momento de criar o gênero humano. De entre todas as obras de Deus, solo a criação do ser humano é precedida por esta referência a uma solene decisão divina. [18] 1.26 Cf. Sl 8.4-8. [19] 1.27 Homem : Hebreus adam , designa aqui a todo o gênero humano; em outras passagens, este mesmo término tem o valor de um nome próprio (Adão). Cf. Gn 4.25. [20] 1.27 A sua imagem, a imagem de Deus o criou. Os seres humanos não são unicamente uma criação especial de Deus (veja-se Gn 2.7 nota h ), mas sim foram criados a sua imagem, quer dizer, estão dotados de características tais que lhes permitem entrar em uma relação pessoal com Deus e exercer, como representantes deles, o governo do mundo (V. 28). Cf. Gn 5.1; 9.6; 1 CO 11.7; Tg 3.9. [21] 1.27 Varão e fêmea : O texto assinala expressamente que à condição humana pertence, por vontade de Deus, o ser sexuado. Cf. Gn 2.18; MT 19.4; Mc 10.6. [22] 1.28 Gn 5.1-2. A bênção divina, no AT, aparece vinculada com freqüência ao dom da fecundidade. Cf. Gn 17.16,20; 22.17; 26.12,24; 28.3. Vejam-se também Gn 49.22-26 N.; Sl 128 nota A. [23] 1.28 Que se movem : referência a todos os seres terrestres. Outra possível tradução: que se arrastam. [24] 1.29 Segundo alguns mitos muito difundidos no antigo Oriente, os deuses criaram aos humanos para que lhes proporcionassem alimento e realizassem os trabalhos servis que eles necessitavam para seu bem-estar. Aqui, em troca, Deus é o que proporciona todo o necessário para o bem-estar dos seres humanos, já que o Criador não padece nenhuma necessidade. Cf. Sl 50.9-13. [25] 1.31 Tudo... era bom em grande maneira : Este superlativo se refere, provavelmente, não a uma obra de Deus em particular, a não ser ao conjunto da criação. Veja-se 1.4 N.





Anúncios