- Anúncios -
x

Bibliatodo Comentários




Diário Viver
1 Samuel 31

1. Os filisteus, pois, pelejaram contra Israel; e os homens de Israel fugiram de diante dos filisteus, e caíram mortos na montanha de Gilboa.

2. E os filisteus perseguiram a Saul e a seus filhos; e mataram a Jônatas, e a Abinadabe, e a Malquisua, filhos de Saul.

3. E a peleja se agravou contra Saul, e os flecheiros o alcançaram; e muito temeu por causa dos flecheiros.

4. Então disse Saul ao seu pajem de armas: Arranca a tua espada, e atravessa-me com ela, para que porventura não venham estes incircuncisos, e me atravessem e escarneçam de mim. Porém o seu pajem de armas não quis, porque temia muito; então Saul tomou a espada, e se lançou sobre ela.

5. Vendo, pois, o seu pajem de armas que Saul já era morto, também ele se lançou sobre a sua espada, e morreu com ele.

6. Assim faleceu Saul, e seus três filhos, e o seu pajem de armas, e também todos os seus homens morreram juntamente naquele dia.

7. E, vendo os homens de Israel, que estavam deste lado do vale e deste lado do Jordão, que os homens de Israel fugiram, e que Saul e seus filhos estavam mortos, abandonaram as cidades, e fugiram; e vieram os filisteus, e habitaram nelas.

8. Sucedeu, pois, que, vindo os filisteus no outro dia para despojar os mortos, acharam a Saul e a seus três filhos estirados na montanha de Gilboa.

9. E cortaram-lhe a cabeça, e o despojaram das suas armas, e enviaram pela terra dos filisteus, em redor, a anunciá-lo no templo dos seus ídolos e entre o povo.

10. E puseram as suas armas no templo de Astarote, e o seu corpo o afixaram no muro de Bete-Seã.

11. Ouvindo então os moradores de Jabes-Gileade, o que os filisteus fizeram a Saul,

12. Todo o homem valoroso se levantou, e caminharam toda a noite, e tiraram o corpo de Saul e os corpos de seus filhos do muro, de Bete-Seã, e, vindo a Jabes, os queimaram.

13. E tomaram os seus ossos, e os sepultaram debaixo de um arvoredo, em Jabes, e jejuaram sete dias.

×
1 Samuel 31

31.3, 4 Os filisteus ganharam muito bem a reputação de torturar a seus cativos. Sem dúvida Saul conhecia sobre o destino do Sansón (Jdg 16:18-31) e não quis arriscar-se a uma mutilação física nem a outro abuso. Quando seu escudeiro se negou a matá-lo, ele se tirou a vida. 31.3, 4 Saul era alto, atrativo, forte, rico e poderoso. Mas tudo isto não foi suficiente para fazê-lo alguém digno de imitar. Era fisicamente alto, mas pequeno ante os olhos de Deus. Era atrativo, mas seu pecado o fez horrível. Era forte, mas sua falta de fé o fez débil. Era rico, mas espiritualmente estava em bancarrota. Podia dar ordens a muitos, mas não lhes pôde ordenar que lhe respeitassem nem fossem leais. Saul tinha muito boa aparência externa, mas a interna estava em decadência. Uma boa relação com Deus e um caráter firme são muito mais valiosos que uma boa aparência externa. 31.3, 4 O escudeiro do Saul se enfrentou a um dilema moral: Devia cumprir uma ordem pecaminosa que provinha de um homem que se supunha devia obedecer? Sabia que devia obedecer a seu senhor, o rei, mas também sabia que o assassinato era pecado. Decidiu não matar ao Saul. Existe uma diferença entre seguir uma ordem com a que não está de acordo e seguir uma que sabe que é pecado. Nunca é bom nem ético levar a cabo uma má ação, sem importar quem dê a ordem nem quais sejam as conseqüências pela desobediência. O que é o que conforma sua decisão quando se enfrenta a um dilema moral? Tenha o valor de cumprir a lei de Deus por cima das ordens humanas. 31.4 Saul se enfrentou à morte da mesma maneira que se enfrentou à vida. Tomou os assuntos em suas mãos sem pensar em Deus nem lhe pedir sua direção. Se nossa vida não for como a desejamos, não podemos supor que virá uma mudança com maior facilidade no futuro. Quando estivermos perto da morte, responderemos a Deus da mesma maneira que lhe respondemos em todo este tempo. nos ver cara a cara com a morte só nos mostra o que na verdade somos. Como queria enfrentar-se à morte? Comece agora mesmo a enfrentar a vida desta maneira. 31.10 O fato de pôr a armadura do Saul em um templo filisteu deu crédito à deusa pagã pela vitória sobre o Saul. Astoret era a deusa da fertilidade e do sexo. Bet-sán era uma cidade em uma das ladeiras ao leste do monte Gilboa, com vista ao vale do Jordão. 31.13 Considere a diferença entre o último juiz do Israel e seu primeiro rei. Saul, o rei, caracterizou-se por sua insegurança, desobediência e obstinação. Não tinha um coração para Deus. Samuel, o juiz, caracterizou-se por sua firmeza, obediência e um profundo desejo de fazer a vontade de Deus. Tinha um desejo genuíno Por Deus. Quando Deus chamou o Samuel, disse: "Fala, porque seu servo ouça" (3.9). Entretanto, quando Deus chamou o Saul através do Samuel, aquele replicou: "por que, pois, há-me dito coisa semelhante?" (9.21). Saul se dedicou a si mesmo, Samuel se dedicou a Deus. 31.13 A morte do Saul foi também a morte de um ideal. Israel já deixaria de acreditar em que seus problemas resolveriam tendo um rei como as demais nações. O problema real não era a forma de governo, a não ser o rei pecador. Saul tratou de agradar a Deus com arrebatamentos de religiosidade, mas a espiritualidade verdadeira requer de toda uma vida de constante obediência. Vista-las espirituais heróicas se constróem ao acumular dias de obediência um sobre outro. Como um tijolo, cada ato de obediência é pequeno por si mesmo, mas com o tempo os atos se aprovisionam e uma enorme parede de caráter sólido se constrói: grande defesa contra a tentação. Cada dia devemos trabalhar para obter uma obediência constante.