O Poder da Linguagem: O que Kobe Bryant declarou sobre sua morte

Ao lermos as escrituras, perceberemos que ela engloba um imenso número de tópicos, a maioria dos quais podemos tomar como ensinamentos para nosso cotidiano.

Um desses temas que muitas vezes ouvimos, e é no que diz respeito às palavras e poder que nossa linguagem tem (isso é encontrado no Capítulo 3 de Tiago).

O escritor começa falando sobre o tamanho minúsculo deste membro do nosso corpo; e enfatiza o fato de que não importa o quão pequena a língua, ela é capaz de causar grandes danos e mal.

Santiago dá à língua duas habilidades, que são BEND e MALSAY. Embora se lermos vários livros de volta, logo após o centro da Bíblia, no livro de Provérbios, Salomão dá a este membro duas outras habilidades com um peso maior; o poder da VIDA e DA MORTE (Provérbios 18:21).

Todo ser humano tem um grande poder com grande responsabilidade, porque devemos responder pelo que decidimos dizer com nossas bocas.

Um caso da vida real

Recentemente, houve um fato que devastou grande parte do mundo, a morte do famoso jogador de basquete Kobe Bryant; que perdeu a vida em um acidente de avião.

Diante deste evento, Tracy McGrady, uma de suas colegas, revelou em uma entrevista algumas palavras que Bryant costumava dizer; e que colocando-os em perspectiva com este tema, nos faz entender o verdadeiro poder de nossas palavras.

“Quero morrer jovem, quero ser imortalizado. Quero que minha carreira seja melhor que a de Michael Jordan e quero morrer jovem”, estas foram as palavras que o famoso jogador disse, de acordo com seu parceiro.

A Bíblia é muito clara ao especificar as grandes habilidades da linguagem para influenciar a vida das pessoas; mesmo em seu próprio.

Não somos Deus para saber todas as coisas, mas podemos facilmente declarar algo sobre alguém e isso pode ser cumprido porque Deus depositou isso em nós; infelizmente, Kobe não mediu a magnitude do que ele estava dizendo.

Por outro lado, como declaramos, Deus também nos deu a capacidade de “quebrar decretos”, o que nos permite cancelar e deixar nulos e anular as palavras de maldições concedidas por nossa pessoa ou por outra pessoa.

Tiago esclarece que duas águas não podem brotar da mesma fonte (Tiago 3:11-12); o que nos faz entender por revelação que não podemos fazer ambos (abençoar e amaldiçoar); ou fazemos um ou outro.

Nós o motivamos a orar e refletir sobre como você tem usado sua língua ultimamente e, se necessário, mudar seu vocabulário.

Deixe seus comentários