¿É pecado tatuarse? Tem que ver isto

Se um jovem crente quisesse ser feito um tatuaje, gostaria de fazer-lhe algumas perguntas muito diretas. Talvez estas perguntas possam você resultar úteis.

Ao longo destes últimos anos, tenho estado pregando a Palavra de Deus aos jovens de Espanha e todo mundo. E uma pergunta recorrente que tem surgido em quase todos os acampamentos cristãos tem sido: «¿É pecado fazer-se um tatuaje?»

Quero somar minha voz ao debate de hoje. E recorda: Dirijo-me à família da fé, não aos incrédulos.

Dantes de começar, quero aclarar que eu não acho que possamos estabelecer uma lei de Levítico 19:28 para defender uma postura anti-tatuaje. As marcas ou sinais feitos no corpo mencionadas neste versículo têm que ver com o ritual pagano de se doer ou se lamentar (guardar luto), não com a moda contemporânea que vivemos hoje em dia.

Acho que o uso deste texto de Levítico pode ser uma dessas ocasiões nas que tratamos de encaixar a Palavra de Deus em nosso plano preconcebido em lugar de fazer as coisas ao revés. A fidelidade ao contexto da Escritura não me permite “golpear” aos artistas do tatuaje com Levítico.

Feita este esclarecimento, voltamos-nos a perguntar:«¿É pecado fazer-se um tatuaje?»

Agora, me dirijo a vocês desde o mundo ocidental. Nasci e cresci em Europa. Só uma vez em minha vida tenho estado fora de Europa. Foi quando preguei nos Estados Unidos e México durante três meses em 2009. Digo isto porque conheço a cena européia. Estou familiarizado com a cultura européia. Entendo a visão do mundo da juventude européia.

E essa é a razão principal pela que vejo os tatuajes como algo negativo. Acho que são um obstáculo para a causa de Cristo aqui em Occidente. Se um jovem crente quisesse ser feito um tatuaje aqui, gostaria de fazer-lhe algumas perguntas muito diretas. Talvez estas perguntas possam você resultar úteis.

  • ¿Glorificará esse tatuaje a seu Deus?

O cristão terá que se perguntar a si mesmo se se fazer um tatuaje pode realmente glorificar a Deus ou não. ¿Qual o motivo real que há por trás de se fazer um tatuaje? Aqui é onde si podemos fazer menção do princípio ético fundamental de Levítico: «Não ser como as outras nações».

A pessoa que se tatúa seu corpo, ¿fá-lo para estender o Reino de Deus no mundo ou fá-lo só para ir com o fluxo de um mundo obsedado pelas aparências superficiais, a moda e as tendências? Na maioria dos casos que conheço, esta última mentalidade é a que prevalece. O Novo Testamento chama-nos a não conformar a este mundo (Romanos 12:2).

  • ¿Que diz sua consciência?

Quando Lutero se defendeu na Dieta de Worms, sublinhou que ele não iria na contramão da Palavra de Deus ou de sua consciência. Se sua consciência tem algum escrúpulo com respeito ao tema dos tatuajes, então definitivamente não deve tatuarte. É pecado.

Todo o que não prove/provem de fé, diz Pablo, é pecado (Romanos 14:23). O mero fato de que alguém se faça a pergunta «¿É pecado se fazer um tatuaje?» revela-me que sua consciência não está em paz com respeito a este assunto e portanto, ele ou ela, não deveria tatuarse.

Se tivesse cem por cem de paz e tranquilidade em sua alma sobre o tema, não precisaria lhe perguntar a ninguém.

  • ¿Vai ofender a outros crentes que te tatúes?

Toda a epístola de “1 Coríntios” gira em torno do tema do amor cruciforme (que toma a cruz como o centro). Pablo enfrenta-se a dez situações pastorais diferentes com a mensagem radical da cruz. Suas ações, ¿beneficiariam ou danificariam aos demais? ¿Vão abençoar ou ofender? ¿Vão fazer bem ou mau? O cristão deve ser dado conta de que ele (ela) já não é de sua propriedade. Ele (ela) vive para o Senhor e a igreja.

Se suspeito que um tatuaje pode alterar (perturbar ou preocupar) a homens ou mulheres de Deus em minha congregación, então ponho meu amor por eles dantes que meus próprios desejos e mantenho meu corpo limpo, sem tatuajes.

Aplico a lei do amor para que outros não se escandalicen por minha ação. Minhas ações têm efeitos positivos ou negativos em outros. Não quero fazer dano ao corpo de Cristo. Assim cumpro a motivação apostólica de “1 Coríntios” de andar em amor.

  • ¿Que pensarão os não crentes?

E não só os cristãos devem pensar nos demais cristãos, sina nos não crentes também. ¿Como vão reagir se me vêem testemunhando de Cristo e também me fazendo um tatuaje? ¿Não vou ser pedra de tropeço a eles? ¿Não vão pensar que sou um hipócrita? Após tudo, eu sou a Biblia que lêem. A impressão que lhes vou causar, ¿acha que será beneficiosa ou perjudicial? Um garoto disse-me: “Com um tatuaje cristão posso mostrar aos demais que sou cristão”.

Respondi-lhe: «Acho que é muito triste que precise um tatuaje para que alguém saiba que é cristão«. Serão conhecidos pelos frutos, não pelas marcas no corpo (tatuajes).

  • ¿Se tatuaría Jesucristo?

E por último, mas não menos importante, aqui está a grande pergunta que subjaz baixo toda a conduta e a moral cristã: «¿Que faria Jesús?» Se Jesús de Nazaret ou Juan o Bautista ou o apóstol Pablo vivessem no século XXI, ¿para valer acha que iriam correndo à loja de tatuajes para unir-se à última moda? Por alguma estranha razão, não o creio.

Se sou sincero –totalmente sincero- da maioria da gente «cristã» que tenho conhecido que se tem tatuado (repito “a maioria”), não são demasiado sérios em sua vida espiritual.

NEW YORK – 26 DE MAIO: Julia Gnuse, poseedora do recorde mundial Guinness, a «mulher mais tatuada» do mundo

Podem ser bons garotos, dizem coisas boas e são populares, mas quase todos carecem de maturidade e peso espiritual. Essa tem sido minha própria experiência pessoal. Ainda não tenho conhecido a um guerreiro de oração cheio do Espírito Santo que me pergunte a respeito de se pode ou não tatuarse. Pergunto-me por que.

Parece-me ridículo que em várias partes do mundo nossos irmãos cristãos estão derramando seu sangue pela extensão do Evangelho e aqui estamos nós vivendo para nossa comodidade no Occidente debatendo sobre se devemos de fazer-nos tatuajes, fumar porros, emborracharnos em discotecas, ter relações sexuais dantes do casal e outras tolices mundanas. ¡Que vergonha! Outra vez digo: ¡Que vergonha!¿Que classe de discipulado é este que estamos vivendo?

É como se fosse outro tipo de fé totalmente diferente na qual o conceito de levar ‘nossa cruz’ não existisse. ¿Que pensará o Senhor Jesús de semelhante fé?

Conclusão

Acho que se algum cristão responde a estas cinco perguntas com sinceridade e oração, duvido muito que ele (ela) seguisse sentindo o desejo de se fazer um tatuaje. É por isso que não tenho um e nunca vou fazer o.

Não vejo como poderia glorificar a Deus, minha consciência está inquieta, não está tranquila ao respeito, o sei, ofenderia a muitos irmãos e irmãs em Cristo se tivesse um, estou seguro de que alguns crentes que conheço se surpreenderiam demasiado e estou absolutamente convencido de que nem Jesús (nem nenhum outro homem ou mulher de Deus na Biblia) se faria um.

Deixe seus comentários