Trump será o primeiro presidente a participar da “Marcha pela Vida”

Donald Trump será o primeiro presidente dos EUA a comparecer em pessoa para a “Marcha pela Vida” para ser amanhã held, 24 de janeiro; o evento anual que atrai milhares que procuram acabar com o aborto.

 

A organização “Marcha pela Vida” fez o anúncio na quarta-feira, mesmo dia do aniversário da controversa decisão da Suprema Corte dos EUA. UU Roe contra Wade.

“Estamos profundamente honrados em receber o presidente Trump na 47ª Marcha anual pela Vida”, disse Jeanne Mancini, presidente da March for Life, em um comunicado no site da organização.

“Ele será o primeiro presidente na história a participar e estamos muito animados que ele experimente pessoalmente o quão apaixonados nossos manifestantes são pela vida e proteção dos não nascidos”.

“Desde a nomeação de juízes pró-vida e trabalhadores federais, até a redução dos fundos dos contribuintes para abortos aqui e no exterior, até o fim do aborto tardio, o presidente Trump e sua administração têm sido defensores consistentes de a vida e seu apoio à Marcha pela Vida tem sido inabalável. Somos gratos por todas essas conquistas pró-vida e esperamos mais vitórias para a vida no futuro”.

O anúncio desabou no site march for Life devido ao aumento do tráfego.

Presidente Trump, publicou: “Até sexta-feira… Grande Multidão!”

O anúncio veio na mesma semana em que Trump proclamou 22 de janeiro (aniversário de Roe v. Wade) como o “Dia Nacional da Santidade da Vida Humana”.

A proclamação diz que “cada pessoa – nascida e não nascida, pobres, desnatadas, deficientes, doentes e idosos – tem um valor inerente”.

“Como nação, devemos permanecer firmemente dedicados à profunda verdade de que toda a vida é um presente de Deus, que dá a cada pessoa valor e potencial imensuráveis”, diz a proclamação.

“Hoje, peço ao Congresso que se junte a mim para proteger e defender a dignidade de toda a vida humana, incluindo aquelas que ainda não nasceram. Peço ao povo americano que continue a cuidar das mulheres em gestações inesperadas e apoie a adoção e o cuidado parental de uma forma mais significativa, para que cada criança possa ter um lar amoroso”.

“E, finalmente, peço a todos os cidadãos desta grande nação que ouçam o som do silêncio causado por uma geração perdida para nós, e depois levantem a voz de todos os afetados pelo aborto, visíveis e invisíveis”.

Deixe seus comentários