“Se não o fazemos bem, nossas igrejas não serão um lugar seguro para os perdidos” diz o presidente da Convenção Batista do Sur

O chefe da Convenção Batista do Sur está pedindo uma temporada de lamento pelo que ele descreve como décadas de inatividade no tema do abuso sexual. Também está chamando à não tolerância para as igrejas que tratam do encobrir.

JD Greear, presidente da Convenção Batista do Sur
JD Greear, presidente da Convenção Batista do Sur

Na segunda-feira pela noite, o presidente JD Greear pediu à denominação que examinasse e possivelmente eliminasse 10 igrejas, entre elas o Segundo Batista de Houston de 60,000 membros e a Soberana Graça de Louisville, por seu manejo das acusações de abuso sexual.

Assinalou que historicamente os batistas se apressaram a confrontar às igrejas que mudam sua posição sobre a homossexualidade ou a classificação de mulheres e devem fazer o mesmo no tema do abuso.

Em seu discurso anual, Greear disse aos líderes batistas: “Este é um momento do evangelho. Se não o fazemos bem, nossas igrejas não serão um lugar seguro para os perdidos”.

Greear reconheceu que os batistas não têm atuado durante anos sobre o tema. Em particular, em 2008, em sua reunião anual, o comitê executivo recusou um chamado das vítimas de abuso para um banco de dados que rastreara aos abusadores. Nesse momento, os líderes citaram a autonomia da igreja local como o obstáculo.

Greear disse aos líderes batistas na segunda-feira pela noite que agradecia os relatórios dos meios sobre o tema. “Fez-nos um grande presente ao alumiar este mau que tantos têm estado publicando e falando durante décadas”. Reprendeu aos batistas por ignorar os relatórios de abuso e por silenciar às vítimas. Também assinalou: “Se as histórias de notícias tivessem listado a algumas de nossas igrejas que supostamente tinham mudado sua posição sobre a homossexualidade, começaríamos a fazer perguntas e possivelmente tomaríamos medidas para cessar a cooperação porque nossa posição sobre este tema é clara. seriamente que nossa posição sobre o abuso também é clara”.

Deixe seus comentários