Primeiro-Ministro de Israel faz história ao se apresentar em julgamento por corrupção

No que parece ser um julgamento interminável, o primeiro-ministro de Israel compareceu perante o tribunal sob acusações de corrupção.

Diante de três juízes, Benjamin Netanyahu, está fazendo história em ser o primeiro-ministro em exercício desta função que está em tribunal; o mesmo declarou que todas as autoridades sabotaram seu governo.

«Desejam eliminar a vontade do povo»

“Cidadãos de Israel, o que está sendo julgado hoje é o desejo de eliminar a vontade do povo, a tentativa de derrubar a mim e ao campo da direita. Por mais de uma década, a esquerda não conseguiu fazê-lo nas pesquisas, então nos últimos anos eles criaram um novo padrão”, disse Netanyahu.

“Fontes da polícia e do escritório de advogado se uniram aos jornais de esquerda, eu os chamo de grupo «simplesmente não bibi» para adaptar casos sem fundamento”, acrescentou.

«Quero que saiba a verdade»

Garante aos meios de comunicação social que quer que tudo o que aconteça com este caso “seja totalmente transparente” porque não aceitará um acordo de culpa, “Quero que o público veja a imagem completa, que o público saiba toda a verdade e é por isso que meu primeiro pedido do tribunal é a divulgação completa. Estou pedindo que tudo seja transmitido ao vivo, uma transmissão contínua e sem censura”, expressou.

Enquanto isso, nos arredores da corte, muitas pessoas se concentraram em usar camisas com a frase “Ministro do Crime” para mostrar seu ódio a Netanyahu; ele tem acusações em seu nome por fraude, abuso de confiança e suborno em 3 casos.

Os casos são os seguintes:

  1. Caso 1000: Presentes ilícitos de negócios internacionais.
  2. Caso 2000: Prioridade a outros meios em troca de resenhas positivas.
  3. Casos 4000: Manipulação das principais telecomunicações de Israel para obter resultados favoráveis.

Netanyahu afirma ser “vítima da caça de bruxas” e que as autoridades “conspiram contra ele”; a próxima comparência do ministro pode levar meses e alguns especialistas dizem que levariam anos para resolver este caso.

Deixe seus comentários