Na Austrália escolas católicas ensinam que Deus tem “gênero neutro”

Escolas católicas de alto padrão em Brisbane, na Austrália, estão ensinando os estudantes a usarem “linguagem inclusiva de gênero” quando se referem a Deus. Em seus esforços de inclusão, os alunos são proibidos de usar as palavras “Senhor”, “Pai” e “Filho”.

Na Austrália escolas católicas ensinam que Deus tem “gênero neutro”

Segundo o jornal The Sunday Mail, a escola Stuartholme fez alteração de linguagem em pronomes como “himself” (traduzido como “ele mesmo”) para “Godself” (traduzido como “Deus mesmo”).

“Como acreditamos que Deus não é nem homem nem mulher, a Stuartholme tenta usar termos neutros de gênero nas orações, para que nossa comunidade aprofunde sua compreensão de quem Deus é para eles, como Deus se revela através da criação, nossos relacionamentos com os outros e a pessoa de Jesus”, disse uma porta-voz da escola.

Da mesma forma, o colégio Loreto, em Coorparoo, removeu a palavra “Senhor” de suas orações, por ser considerado um “termo masculino”.

“Loreto, como uma das principais escolas para meninas, tem o compromisso de usar a linguagem inclusiva. Há ocasiões em que a linguagem de gênero pode ser apropriada, incluindo referências a figuras religiosas e bíblicas específicas”, disse o diretor Kim Wickham.

O colégio St. Rita também usa termos neutros de gênero para Deus. “Nós nos esforçamos para usar termos neutros de gênero para Deus, por exemplo, ‘Deus e o povo de Deus’ em vez de ‘Deus e Seu povo’. ‘Espírito’ também é neutro em termos de gênero”, disse o vice-diretor Richard Rogusz.

A principal escola de meninos católicos de Brisbane, o colégio St. Joseph’s, substituiu o termo “irmãos” por “irmãs e irmãos” e mudou o termo “irmandade” (no inglês “brotherhood”) para “comunidade internacional”.

“Esta tem sido uma área de crescimento para nós nos últimos tempos”, disse um porta-voz ao Sunday Times. “Nós fizemos mudanças em várias orações para sermos mais inclusivos em relação ao gênero”.

Andrea Dean, diretora do Escritório Católico para a Participação da Mulher, disse ao Sunday Mail que estava “empolgada” com o fato de as escolas usarem a oração de gênero neutro. “É ótimo que eles sejam sensíveis às implicações de como Deus é chamado”, disse ela.

“Deus não tem nenhum gênero. Nos tempos em que a Bíblia foi escrita, [Senhor e Pai] eram termos de honra — a maioria dos termos de honra estava relacionada aos homens”, acrescentou.

Deixe seus comentários