Mudança ao cristianismo é proibida em quatro países

179

Multa e até prisão pela conversão ao cristianismo

Em quatro países asiáticos leis foram aprovadas para proibir a conversão de seus cidadãos, eles não vão abandonar a religião em que nasceram sem a autorização do governo. Outras nações vão estudar o mesmo.

A proibição vai além das blasfêmias e apostasias comuns na região e principalmente impede o trabalho dos missionários cristãos.

Um relatório sobre os ataques à liberdade religiosa foi apresentado pela Aliança em Defesa da Liberdade (ADF). “Leis anticonversão” é nome dado às proibições e usam termos como “indução”, “força”, ou “meios fraudulentos”. Depende do país, mas pode ser qualquer trabalho social, oração pelos enfermos, e evangelismo.

 “Nenhuma pessoa ou grupo deveria viver com medo de ser preso, torturado ou morto por causa de suas crenças religiosas. A multiplicação de leis anticonversão no mundo comprova a crise da liberdade religiosa”, afirma o indiano Balakrishnan Baskaran, consultor Jurídico da ADF.

A justificação do relatório e a seguinte: existe a necessidade de “proteger a identidade cultural das comunidades do país”. Às vezes, o nome é enganoso. O estado indiano Uttarakhand é o oitavo que aprovou a legislação, oficialmente chamado “Lei da Liberdade Religiosa”. O castigo para quem promove as conversões religiosas é de prisão até por dois anos e multa.

Alguns estados da Índia já aprovaram essas leis. Sri Lanka e partes de Paquistão devem aprovar leis semelhantes em breve. Segundo os legisladores, a religião majoritária está “sob ameaça”. O resultado, às vezes, é uma reação violenta dos grupos islâmicos, budistas, ou hindus.

Em Nepal, a maioria da população é hindu, em Butão, Mianmar e Sri Lanka a maioria é budista. Muitos países de maioria muçulmana também impedem as conversões e proíbem a “apostasia” e a “blasfêmia”.

O Pew Research Center relata que, atualmente, 42 países restringem a mudança de uma religião para outra. 

Deixe seus comentários