Jesus Cristo decapitado gera revolta no instituto Goethe em Porto Alegre

140

As imagens no instituto Goethe foram consideradas blasfemas

Numa exibição do renomado Instituto Goethe, de Porto Alegre, a exposição de arte “Pixo/Grafite: Realidades Paralelas” gerou grande polêmica por uma das obras dela. As obras foram assinadas por Rafael Augustaitiz e Amaro Abreu.

O objetivo do evento, segundo o site do Instituto é: “expor face a face trabalhos que se fundamentam em diferentes concepções sobre o modo de intervenção no espaço urbano e arquitetônico”.

Laymert Garcia dos Santoz, o curador da exposição, afirma que: “Sob a ótica do apocalipse, do 666, signo da Besta, do pentagrama de ponta-cabeça, procura-se instaurar a metrópole do mal, em resposta à banalidade da injustiça e da desigualdade estabelecidas”.

Muitos moradores da cidade e as pessoas que tomaram conhecimento da imagem pela internet, as imagens só são blasfêmia com nome de “arte”. Além do pentagrama no quadro interior do instituto, no muro externo há uma pintura, um Jesus Cristo com a cabeça decapitada em cima de uma bandeja.

Alguns comentários chamam a exposição de “satanismo”. De fato, algumas imagens aludem ao satanismo. Um dos textos diz: “Eu sou o anjo do inferno que chegou para lhe buscar”.

A resposta do instituto foi uma nota onde se queixavam pelas “mensagens de ódio” alegando que “Em nenhum momento foi intenção do projeto ou do Instituto ofender sentimentos religiosos. Respeitamos todas as crenças, manifestações e liberdade de expressão”. O respeito do que eles falam não se traduz em ações concretas, por isso a exposição vai continuar no local.

Deixe seus comentários