Ex-padre francês confessa ter abusado de 5 crianças por semana durante duas décadas

Um ex-padre francês tentou por pedofilia em Lyon, reconheceu na semana passada que ele tinha abusado de “quatro a cinco crianças” por semana. Uma confissão que chocou o tribunal, e um escândalo que a igreja escondeu.

“Naquele momento, na minha opinião, eu não cometi agressões sexuais, mas carícias. Foram as acusações das vítimas que me fizeram entender”, explicou Bernard Preynat, 74 anos.

Os crimes foram cometidos entre 1971 e 1991, quando as vítimas tinham entre 7 e 15 anos de idade.

Foi até 2015 que algumas das vítimas quebraram o silêncio e denunciaram Preynat, por tocar, beijar na boca e forçar carícias recíprocas de natureza sexual.

Esses atos foram encobertos pela Igreja da França, o que levou à condenação do cardeal Philippe Barbarin em março de 2019.

Ele foi condenado por não denunciar os crimes e de manter o padre na diocese até 2015, apesar de Bernard já ter confessado suas ações a seus superiores em 1991.

Bernard Preynat, que foi expulso da igreja para um estado secular durante o julgamento canônico no verão passado, agora pode ser condenado a até 10 anos de prisão.

“Eu sabia que esses gestos eram proibidos, que eram carícias que eu nunca deveria ter feito. Eles foram feitos em segredo”, admitiu. “E sim, é verdade, eles me deram prazer sexual”, acrescentou Preynat.

“Quatro ou cinco crianças por semana”

Havia “quatro ou cinco crianças por semana”, disse ele. “Isso significa quase uma criança por dia”, disse o magistrado presidente.

Na semana passada, Preynat expressou sua dor no tribunal, antes da audiência ser suspensa.

Ele se declarou “culpado” pela dor causada às vítimas e expressou o desejo de que “este julgamento será realizado o mais rapidamente possível, como o processo começou há cinco anos”.

A investigação revelou que este padre tinha cometido seus primeiros ataques desde os 17 anos de idade, quando ele era um monitor em acampamentos de verão, em 1962. O réu alega que ele se submeteu à terapia e parou de cometer abuso sexual desde 1991.

Durante a audiência, 15 demandantes civis estiveram presentes, incluindo 10 vítimas; entre dezenas de outros na lista do sistema judicial, que terá de enfrentar, depois de tantos anos, com a palavra de seu agressor.

François Devaux, uma das vítimas, testemunhou. “O que estou experimentando aqui, no processo, é a coisa mais difícil desde o início do caso”, disse ele.

Devaux explicou “inferno” que trouxe seus pais à vida, “a violência” que inundou sua adolescência “muito, muito complicado”. “Antes, aparentemente, ele era uma criança cheia de luz. Depois, vivi uma vida muito sombria e flertei com coisas muito perigosas”, disse ele.

Confessando suas ações, Preynat será, sem dúvida, condenado e, de acordo com seu advogado Frédéric Doyez, tentará “estabelecer os fatos durante o julgamento”, mesmo que ocorreram há várias décadas.

Deixe seus comentários