Especialistas em Israel afirmam ter dois medicamentos «eficazes» para combater o Covid-19

Os israelenses podem estar tomando a dianteira depois de informar sobre dois possíveis medicamentos que podem servir para tratar o Covid-19.

Segundo a CBN News, a informação é fornecida pelo Instituto de Pesquisa Biológica de Israel (IIBR), que é dirigido pelo Ministério da Defesa.

O organismo diz que dois medicamentos concebidos para tratar a doença de Gaucher também podem ser um tratamento eficaz contra o coronavcoranavírus.

A doença de Gaucher é uma doença genética que faz com que um tecido adiposo se acumule em certos órgãos, principalmente no baço e no fígado.

Esta gordura faz com que estes órgãos aumentem, e as suas funções são afetadas.

Aparentemente, investigadores do IIBR dizem que os medicamentos para tratar esta doença, de certa forma, reprimem as faculdades do vírus.

Cerdelga é o nome do primeiro medicamento, que já foi aprovado pela Administração de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos. E o segundo é Venglustat, que está em processo de aprovação.

Um «tratamento temporário»

Os cientistas descobriram que, em conjunto, as drogas conduziram a “uma redução significativa na capacidade de replicação do vírus coroa e à destruição da célula infetada”, disse o porta-voz do Ministério da Defesa em um comunicado.

“Os dois medicamentos em desenvolvimento estão sendo testados atualmente para determinar sua eficácia no tratamento de animais infetados com o vírus”, disse ele.

Surpreendentemente, também se pôde verificar que o medicamento é eficaz contra outros três vírus.

Estes são o vírus do Nilo Ocidental, o vírus da gripe A e o vírus Sindbis neuroinvasivo.

“Isto indica o seu potencial para tratar várias doenças virais de forma eficaz, incluindo futuros surtos de novos vírus, uma vez que estejam clinicamente aprovados”, escreveu o ministério.

Mesmo este seja certamente um grande passo, os pesquisadores acreditam que os medicamentos poderiam ser um tratamento temporário para o coranavírus enquanto eles ainda trabalham em uma vacina.

Deixe seus comentários