Em meio à guerra na Síria, cristãos tentam salvar as vidas das vítimas do ataque químico: “Tentamos ser as mãos e os pés de Jesus”.

102

Grupos de ajuda humanitária cristã como a missão evangélica “Ajuda Mundial” e a católica “Ajuda à Igreja que Sofre”, trabalham sem parar oferecendo ajuda aos sírios afetados pelos ataques químicos na Síria.

Após o ataque, muitas pessoas, homens, mulheres, e crianças, estavam asfixiados na cidade de Douma. Os grupos de monitoramento descreveram a cidade como uma mistura de gás cloro e do agente sarin. O número de vítimas é desconhecido.

A missão Ajuda Mundial oferece aos refugiados sírios, fugindo da violência e dos bombardeios, medicamentos, alimentos, água potável e material de higiene. A missão tinha desenvolvido um trabalho de socorro e entrega de suprimentos que foi acrescentado depois dos eventos recentes.

“Temos uma clínica médica móvel que fica a menos de um quilômetro de onde ocorreu o recente ataque químico ocorreu e eles estão tratando os sírios 24 horas por dia. Estamos oferecendo tudo que podemos para ajudá-los a sobreviver”, afirmou Vernon Brewer, líder da missão Ajuda Mundial.

A missão Ajuda Mundial também atende às necessidade espirituais dos sírios feridos. Vernon Brewer descreveu a situação como uma “zona de guerra”. As casas foram arrasadas e muitas famílias tiveram de fugir somente com as roupas do corpo.  

“Estamos estendendo a mão e também nos mobilizando em oração. Estamos orando por esses refugiados como se fossem nossos próprios filhos e netos”, disse Brewer. “Tentamos ser as mãos e os pés de Jesus. Não apenas salvar vidas, mas mostrar-lhes o amor de Jesus Cristo, representando-o aqui nessa Terra.”

Faz sete anos que a guerra começou e milhares de habitantes morreram em meio ao confronto ao regime de Bashar Al-Assad e os grupos que se opõem a ele, tendo a Estados Unidos como líder.

“Os sírios já não sabem em quem confiar. Existe uma atmosfera de desconfiança, o sentimento é que o governo deles não apenas falhou, mas que é o próprio presidente que está por trás de todos esses ataques brutais”, explica o líder da Ajuda Mundial e chama a todos os cristãos para orar pela paz naquele país.

A Ajuda á Igreja que Sofre também trabalha na Síria, oferece consolo espiritual aos afetados pela violência. Eles desenvolveram na Síria 143 projetos de ajuda somente no último ano.

O ataque químico foi o pior na Síria desde um ataque semelhante em Khan Sheikhoun no começo de abril de 2017, onde morreram mais de 80 pessoas.

Deixe seus comentários