BLASFÊMIA: Igreja Luterana dos EUA inclui os LGBT à liderança sustentando que a Bíblia o apoia

Vários ex-líderes da denominação protestante de uns 3,4 milhões de membros afirmam que a igreja se tornou “radical” na sua ideologia.

A Igreja Evangélica Luterana da América (ELCA), a maior denominação luterana dos Estados Unidos, distribuiu recentemente um novo padrão sobre assunstos “LGBTQIA+”.

Anúncios


Este grupo argumenta que a Bíblia apoia a inclusão de todas as pessoas “em todas as âmbitos da igreja”.

ELCA foi fundada em 1988 graças à fusão de três corpos luteranos históricos.

Atualmente conta com 3,4 milhões de membros batizados, e cerca de 1,4% da população norte-americana se identifica com esta denominação.

O que ensina esta nova «doutrina»

De acordo com Evangelical Focus, o padrão  pela “plena bem-vinda, inclusão e equidade dos luteranos lésbicos, homossexuais, bissexuais, transgêneros, intersexuais e assexuais / aromáticos (LGBTQIA +) em todos os tópicos da vida de sua Igreja, congregações e comunidade”.

Também treina seus membros sobre como usar o espectro “SOGIE” (orientação sexual, identidade de gênero e expressão de gênero).

Isso significa que os fiéis devem evitar usar termos de gênero quando eles têm dúvidas sobre como receber uma pessoa.

O documento oferece igualmente definições de termos como «género queer», «pansexual», «género não conforme» e «andrógino», chamando a honrar a «parte central e autêntica de si mesmo» daqueles que não são «cisgénero».

Anúncios


Este material conclui dizendo: “Cada um de nós é um filho de Deus amado de Deus, maravilhosamente feito, tal como somos”.

Uma igreja luterana que apoia o ativismo LGBT

O formulario foi publicado pela ReconcilingWorks, um grupo de trabalho luterano que “advoga a aceitação, a plena participação e a libertação de todas as orientações sexuais, identidades de gênero e expressões de gênero dentro da Igreja Luterana”.

É importante destacar que o ELCA recomendou o documento em suas contas oficiais de redes sociais.

Assim também, a Igreja Luterana tem em seu site uma seção dedicada a temas “LGBTQIA+”, onde apresentam entrevistas com alguns de seus pastores que pertencem a esta comunidade.

Esta não é a primeira vez que a denominação se encontra em um furacão de polémicas. Em abril foi fortemente criticada ao catalogar Deus como “Mãe”.

Nos Estados Unidos, vários movimentos da igreja luterana não apóiam a teologia queer e se mantiveram fiéis à compreensão bíblica tradicional da sexualidade.

“Liberal já não é a palavra para o ELCA, tornou-se radical”, disse um ex-pastor do ELCA que agora pertence a uma igreja luterana doutrinalmente conservadora, em um artigo publicado pelo The Christian Post.

Denunciou o apoio da igreja ao aborto, assim como ao universalismo (a linha teológica que ensina que todos serão salvos sem importar quais sejam suas crenças).

Deixe seus comentários
Links Patrocinados