A legalização do “suicídio assistido” na Escócia está à porta

O Dr. Stuart Weir, diretor da associação CARE (associações de assistência, organizações e instituições de caridade na Escócia), considera a tentativa de legalizar o suicídio assistido como “sinistra”.

A legalização do “suicídio assistido” na Escócia está à porta

Um grupo de cristãos está pedindo ao parlamento escocês que rejeite a proposta de legalizar essa lei. No entanto, um grupo de todas as partes concordou em modificar a lei relativa ao suicídio assistido, tendo em conta que existem pesquisas recentes em que as pessoas apoiam a proposta.

“Não me interpretem mal, existem algumas doenças degenerativas terríveis e muitos de nossos entes queridos sofrem ou sofreram”, escreveu Weir no jornal Scotsman.

Existe uma grande preocupação para a população idosa na Escócia, pois elas são consideradas um fardo, então os idosos estão sendo empurrados sob a ordem hierárquica quando se trata de acessar os serviços essenciais, já que eles não são uma prioridade.

Quem poderia tomar suicídio assistido?

Se a lei de suicídio assistido é aprovada, seria aberta para todas as pessoas com doenças degenerativas, para aqueles que sofrem traumas psicológicos irreversíveis e aqueles que não desejam permanecer um fardo família e ter uma morte “digna” incluindo os idosos na sociedade.

A revista científica The BMJ, uma das “bíblias” da literatura médica em todo o mundo, acaba de se posicionar a favor da morte assistida no Reino Unido através de um editorial publicado em sua última edição. “Pesquisas sugerem que a maioria dos médicos no Reino Unido apoia a morte legalmente assistida, e a maioria das pessoas quer isso.”

“Precisamos de uma verdadeira recuperação do bem comum que universalmente valoriza a interdependência de todos os seres humanos no início e no final da vida. Estou ansioso para esse dia”, comentou o Dr. Weir.

Deixe seus comentários